Ministra pede maior criatividade cultural

Fernando Neto | Mbanza Congo
9 de Julho, 2016

Fotografia: Garcia Mayatoko | Mbanza Congo

A ministra da Cultura, Carolina Cerqueira, pediu à classe artística e aos promotores culturais da província do Zaire para serem mais criativos, no sentido de ultrapassar-se as dificuldades económicas e outros problemas inerentes ao desenvolvimento das artes na região.

Durante um encontro de auscultação com a classe artística da província, realizado no anfiteatro do edifício II do Governo do Zaire, Carolina Cerqueira disse que os artistas se  podem auto-superar com o talento de esculpir madeira, cantar as coisas belas da vida, declamar poemas e descrever as memórias e imagens daquilo que lhes vai na alma.
“Homens e mulheres de cultura, não se deixem desmoronar! As dificuldades devem servir de motivação para engrandecer a nossa cultura. É nos momentos de crise e de dificuldades que ficamos a conhecer os grandes homens”, disse a ministra, tendo lembrado que o Zaire é reconhecido como uma região de criadores nos mais variados domínios das artes.
Entre as várias preocupações apresentadas pelos artistas, o destaque vai para a falta de espaços para a realização de actividades e de apoio financeiro, destinado ao fomento das iniciativas artísticas.
Os artistas afirmaram ser necessário existir da parte do Ministério da Cultura iniciativas de superação técnico-profissional, capazes de contribuírem para a melhoria da qualidade das criações artísticas. No final do encontro, os artistas saíram confortados com a explanação da ministra da Cultura que reiterou a vontade do Executivo em continuar a trabalhar na elaboração de políticas conducentes à dignificação desta franja da sociedade, através de incentivos e  de acções de formação. 
A visita da ministra da Cultura ao Zaire faz parte de um périplo que Carolina Cerqueira efectua pelo interior do país, com o objectivo de auscultar os criadores de artes e recolher deles informações úteis sobre o sector.

Infra-estruturas históricas

As infra-estruturas históricas de Mbanza Congo, província do Zaire, vão ser submetidas a um processo de restauro, para se conter a sua contínua degradação, anunciou a directora-geral do Instituto Nacional do Património Cultural, Maria da Piedade Jesus. Em declarações aos jornalistas, à margem da visita de trabalho ao Zaire da ministra da Cultura, Carolina Cerqueira, Maria da Piedade Jesus destacou as ruínas da antiga Sé Catedral (Kulumbimbi) e  de Tadi-dya-Bukikua que carecem de uma intervenção urgente por parte das entidades competentes. “Apesar de serem ruínas, precisam de um trabalho de conservação. E esse trabalho passa, em primeiro lugar, pela consolidação das estruturas existentes, para não se degradarem ainda mais com as chuvas e outras intempéries naturais”, assinalou.
Para a implementação deste programa, a responsável disse que o Ministério da Cultura, através do Instituto Nacional do Património Cultural, tem contactado algumas empresas especializadas para a execução desta empreitada.
“Os trabalhos devem ser executados por empresas especializadas e vocacionadas para o património cultural. Não existe ainda, no mercado nacional, produtos específicos para o caso concreto de Kulumbimbi que, nas suas estruturas, tem vegetais a crescerem e que precisam de ser eliminados com produtos químicos”, precisou.
A directora do Instituto Nacional do Património Cultural disse haver já propostas de algumas empresas nacionais, sul-africanas e italianas para a execução desse trabalho.
Classificada como património nacional, a cidade de Mbanza Congo dispõe de monumentos e sítios históricos que remontam há séculos e concorre para a lista de património mundial da humanidade pela Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).
Nesta  visita de trabalho a província do  Zaire, Carolina Cerqueira faz-se acompanhar além de directores nacionais do Minsitério da Cultura, pelo embaixador de Angola junto da UNESCO, Diakumpuna Sita José.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA