Cultura

Morreu Chó do Guri a escritora de “Morfeu”

A escritora Chó do Guri, pseudónimo literário de Maria de Fátima, morreu na madrugada de ontem, em Luanda, vítima de doença.
A informação foi avançada pela União dos Escritores Angolanos (UEA), que em nota de imprensa lamenta a morte da sua filiada.

Literatura angolana perdeu uma escritora
Fotografia: Edições Novembro

Nascida a 24 de Janeiro de 1959, na província do Cuanza Sul, Maria de Fátima começou a dedicar-se à escrita em 1986, altura em que parte para Portugal com o objectivo de fazer o curso de ciências farmacêuticas. A escritora deixa um legado constituído pelas obras “Vivências” (1996), “Morfeu” (2000),  “Bairro Operário”, “ Minhas História” (1998), “Chiquito da Camuxiba” e “Pulas, Bumbas, companhia Ilimitada e muita Cuca”, 2016.
Frequentou vários cursos, como o de ciências farmacêuticas na Universidade Clássica de Lisboa, Portugal, país onde fez a licenciatura em Política Social pela Universidade Aberta de Lisboa.
Por outro lado, o Ministério da Cultura (Mincult) manifestou ontem, em Luanda, “profunda dor e consternação” pela morte do escritor Marigan, pseudónimo artístico de Manuel Adriano Paulo, ocorrido dia 4 deste mês, vítima de doença.
Manuel Adriano Paulo natural de Icolo e Bengo, província de Luanda, é autor da obra “Massamba”, com a qual venceu do Prémio Literário Sagrada Esperança, edição 2015. Marigan é fundador do grupo teatral Luz na Sombra.

Tempo

Multimédia