Cultura

Museu de Antropologia atraiu visitantes

Amilda Tibéria

O Museu Nacional de Antropologia registou, em 2019, a visita de 16.434 pessoas, nacionais e estrangeiras, “número considerável” em relação a 2018, fruto da cooperação com instituições museológicas da Alemanha e França.

Instituição museológica recebeu milhares de visitantes em 2019
Fotografia: Vigas da Purificação|Edições Novembro

A informação foi prestada, hoje, ao Jornal de Angola, pelo chefe de Departamento de Educação e Animação Cultural, José Pedro “Jack Tchindje”, que avançou que “durante quatro anos a instituição não funcionou de forma regular, porque estava em reabilitação”, tendo voltado a fazê-lo em 2019.
O responsável disse que, ao longo de 2019, as instituições de ensino, públicas e privadas, foram as que mais visitaram o Museu de Antropologia, num total de 155 colégios e 18 escolas estatais.
José Pedro “Jack Tchindje” frisou que dos 16.434 visitantes do museu no ano findo, 14.860 foram de cidadãos nacionais, enquanto do estrangeiro foram 1.365 adultos e 209 crianças e adolescentes.
O chefe de Departamento de Educação e Animação Cultural disse que o Museu de Antropologia foi visitado por cidadãos de 50 países, com realce para a Inglaterra, com 494, seguido pela Alemanha, 188, Portugal, 118, França, 103, e Brasil, 105.
José Pedro disse que no âmbito das parcerias com o Goethe Institut Angola, no em 2019 realizaram várias oficinas de dança, música e exposição de vídeos.
O Museu de Antropologia, fundado em 13 de Novembro de 1976, foi a primeira instituição museológica criada após a Independência de Angola, ocorrida um ano antes. Esta instituição de carácter científico, cultural e educativo está vocacionada para a recolha, investigação, conservação, valorização e divulgação do Património Cultural Angolano.
O Museu Nacional de Antropologia é composto por 14 salas distribuídas por dois andares, com peças tradicionais, designadamente utensílios agrícolas, de caça e pesca, fundição do ferro, instrumentos musicais, jóias, peças de pano feitas de casca de árvore e fotografias dos povos Khoisan.

Tempo

Multimédia