Cultura

Museus também contribuem para impedir conflitos regionais

Manuel Albano |

O antropólogo Manzambi Vuvu Fernandes disse, ontem, em Luanda, que os museus enquanto instituições de carácter social e de investigação podem contribuir para impedir vários conflitos regionais.

Dia Mundial dos Museus assinalado com palestras
Fotografia: Vigas da purificação| Edições Novembro

Ao dissertar sobre “Os museus, plataformas culturais: o futuro da tradição”, lema deste ano do Dia Mundial dos Museus, que ontem se assinalou, o antropólogo ressaltou, durante a palestra realizada no Museu Nacional de História Natural, que o futuro das tradições orais incide, também, no processo de investigação da História.
O processo de investigação, referiu, é uma das razões para o surgimento ou criação dos museus, por permitir estudar e aprofundar a diversidade etnolinguística dos povos. “Os museus têm um papel importante nas sociedades, pois permitem conhecer e aproximar os povos às suas culturas”.
Para o antropólogo, os museus desde a sua existência têm cumprido, de forma activa, o seu papel de coleccionadores e guardiões da memória nacional e servem de base para as próximas gerações terem um conhecimento mais amplo da sua tradição.
Os museus de hoje, acrescenta, devem ser vistos como centros culturais que funcionam como plataformas, onde a criatividade é combinada com o conhecimento e os visitantes podem criar, compartilhar e interagir.
De acordo com Álvaro Jorge, o moderador da palestra, os museus enquanto instituições sociais têm como função primordial a cooperação e o intercâmbio, como principal ponto de difusão do património cultural à reafirmação da identidade e unidade nacional.

Tempo

Multimédia