Cantor Anselmo Ralph vence de novo

Roque Silva
15 de Setembro, 2014

Fotografia: Dombele Bernardo

O músico Anselmo Ralph venceu sábado, em Luanda, pela segunda vez consecutiva, o Angola Music Awards (Prémios da Música de Angola), arrebatando quatro das 24 categorias em concurso e o diploma de Mérito Internacional.

Distinguido por ser o artista que mais leva o nome de Angola ao exterior, Anselmo Ralph, que venceu seis troféus da edição passada, mostrou que é a voz angolana da actualidade, sendo o mais votado nas classes Álbum do Ano, com “A dor do Cupido”, Artista masculino do ano, Canção R&B Soul, com “Única Mulher” e Artista mais popular na Internet. Anselmo só perdeu a categoria de Melhor Vídeo clipe Musical para o tema “Set me free” de Coréon Dú.
O grande vencedor do Angola Music Awards disse que todos os concorrentes são vencedores, uma vez que contribuem para o crescimento da cultura angolana, sobretudo para a música. O mais importante é o prestígio que ganham os artistas em concurso, um reconhecimento ao esforço pela criação e produção musical.
Anselmo Ralph considerou o concurso como uma plataforma saudável de troca de experiência entre artistas de várias gerações e distintos ritmos. “Todos somos vencedores. Essa reunião de artistas de épocas de diferentes é saudável para o mercado nacional”.
Inserido no Festival Nacional de Cultura (FENACULT), a segunda edição do Angola Music Awards que premeia unicamente os artistas que nele se inscrevem, distinguiu, no Centro de Convenções de Talatona, Kyaku Kyadaff como Artista revelação do ano, Melhor Kizomba e Música do Ano, com “Entre sete sete e Rosa”. Irmã Sofia amealhou dois prémios, Música Popular do Norte de Angola e Música Gospel, com o tema “Zungueira”, enquanto Nelo de Carvalho conquistou os troféus Música d'Ouro com “Vovó Ngola” e Música popular do centro de Angola com “Velho Chico”.
A atribuição da Música mais pedida, a “Tungané” de Paulo Garcia, arrancou inúmeros murmúrios da plateia. “Mulekeleke” de Gabriel Tchiema é o Melhor tema do Leste de Angola, enquanto Miss Olívia é a Melhor artista do Sul.
A melhor produção coube ao tema “Homenagem” de DJ Dias Rodrigues, Artista feminina a Nsoki, Melhor DJ a Paulo Alves, Grupo do Ano a banda Café Negro.
“Luandense” de Sandra Cordeiro, “Monami” de Eddy Tussa, “Fuba” do Elenco de Luxo, “Filho de Deus” de W King, e “Mwangole” de DJ Djeff venceram as categorias de Afro jazz-world music, Semba, Rap-hip hop, Kuduro e afro house dance do ano, respectivamente.
A organização homenageou Rui Mingas (ausente) com o troféu referente à categoria extra, denominada Carreira. A ministra para os Assuntos Parlamentares, Rosa Micolo, destacou o empenho de Rui Mingas em prol da música e da cultura angolana, tendo destacado que o artista fez da voz e da música uma verdadeira arma para a afirmação da identidade do povo, usos e costumes. “Rui Mingas é uma figura carismática da nossa cultura”.
O júri desta edição do concurso foi composto por Belarmino Carlos, Lopito Feijó, Sara Fialho, Agnela Barros e  Micas Cabral. Este ano, a organização do concurso ofereceu material de informática e produtos de primeira necessidade ao orfanato Mão Grande, de Cacuaco, um gesto que se enquadra na sua responsabilidade social. 
A actividade teve um atraso de duas horas e durou três horas e meia. Num palco de qualidade, em que se destacou o espectáculo de pirotecnia, realce para as actuações do grupo Kilandukilo, Anselmo Ralph em dueto com Nsoki e a solo, Gabriel Tchiema, Café Negro, Harmonia Vocal, Tony Nguxi, Marceny, Helga Fêty, com o suporte instrumental das bandas Zambeze e XP.
Cabo Snoop, Elenco de Lucho, Katumbella, Carliteira, Big Boss, Dionísio Rocha e Tatiana Durão também cantaram na gala.
O coordenador-geral do Angola Music Awards, Daniel Mendes, informou que a próxima edição vai ser realizada na cidade de Saurimo, na Lunda Sul.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA