Cultura

Cantor Prado Paím anima espectáculo em Cacuaco

Roque Silva

A diversidade rítmica e melódica da música nacional é apresentada por duas gerações de cantores, num concerto a ser realizado hoje, a partir das 14h00, na Casa de Cultura “Tia Teté”, na vila de Cacuaco.

Autor de “Batolomeu” é o músico de cartaz do concerto hoje na Casa de Cultura
Fotografia: Paulo Mulaza | Edições Novembro

O espectáculo traz como figura de cartaz o consagrado cantor Prado Paím, de 70 anos, o primeiro músico angolano a conquistar um disco de ouro, em 1974, pela venda de 15 mil cópias do single “Bartolomeu”.
O cantor quer prender a atenção do público propondo uma viagem às décadas de Ouro da Música Urbana Angolana, registado nos anos 1960 e 1970.
Prado Paím preparou um repertório repleto de sucessos, com os temas “Kusambela Nzambi, “Nzenza”, “Bartolomeu”, “Recado aos Presidentes” e “Tuá Ubumdu”, sendo dois últimos lamentações do longo período de repressão colonial.
O ano de 1974, o momento mais alto da sua carreira, pela conquista de um disco de ouro, continua na memória dos apreciados da música popular angolana da época, fase em que foi secundado por Teta Lando, com sete mil, e Carlos Lamartine, com quatro mil discos vendidos.
Prado Paím lançou o primeiro disco em 1974 com o suporte musical dos Merengues, pela gravadora Valentim de Carvalho, 27 anos depois do seu primeiro contacto com um instrumento musical, a dikanza. A sua estreia em palco, em 1967, após a composição das primeiras canções, dá-se o programa “Kutonoka”, no bairro Prenda, em Luanda, projecto com o propósito de descobrir  talentos.
Pedro Cabenha, outra atracção de peso para o concerto, leva os temas “Mamã Sessa”, “Jinguela” e “Michel”, muito solicitadas nos espaços de promoção da música angolana. As canções fazem parte dos discos “Mamã Sessa” (2013), “Nzoji Yami” e “Nadaiué”, ambos lançados em 2010 pelo artista com mais de 30 anos de carreira, antes de projectar a sua imagem em 1984 no conjunto Proletários.
Com nove temas, o disco tem participações de Bangão, Lulas da Paixão, Prado Paim, Sabino Henda, Bell do Samba, Jota Jota, Zé Abílio, Baló Januário, DJ Man Kilas, W. King e os Lambas.
O repertório inclui os temas como “Mana Zinha”, “Dibata Buala Tambi”, “Mukusota Kiavulo”, “Engrácia”, “Nga Madia”, “Muku Fikisa”, “Por ti até roubei”, “Umbeca uami Ngo” e “Dianzala”, produzidos com o suporte de alguns integrantes das bandas Jovens do Prenda, Maravilha, Chamavo e dos Versáteis.
O cantor Dom Manix lançou o disco de estreia no dia 15 de Agosto de 2009 com “Mako Nimako”, no qual o semba é o ritmo de eleição, dois anos depois do inicio da produção.
O leque de artistas estende-se para outros nomes, como a banda Crisgunza, que vai acompanhar Prado Paím, Pedro Cabenha e Dom Manix, além de Dino do Pong, Pombinha de Olhos Castanhos, Zé Maria Neto, Cota Kurri, Man Chia, Tâmara Joyce, Titi Matias, Jane Calende, Filipe Vangala e Chora Mbemba.
A responsável pela iniciativa e proprietária do espaço disse que a intenção é criar um ambiente festivo entre cantores de várias gerações e relembrar algumas épocas.
“Convidamos artistas e bandas de referência do mercado nacional, com um legado capaz de durar por décadas,” referiu Teresa do Nascimento, para quem “o espaço está aberto para iniciativas privadas do género pois tem sido um dos mais solicitados no município de Cacuaco pelos artistas locais para apresentar os seus trabalhos”.

Tempo

Multimédia