Cultura

Da canção infantil às novas tendências da Música Popular

Jomo Fortunato |

Com a interpretação da canção “Wassamba”, um sucesso da música infantil gravadonos estúdios da Rádio Nacional de Angola,em 1985, Ângelo Boss iniciava a sua peregrinação pela música, optando por um compromisso artístico, localizado, fundamentalmente,  na absorção das novas tendências da Música Popular Angolana.

Fotografia: Edições Novembro

A experiência musical de Ângelo Boss na Rádio Nacional de Angola, deu sequência a um processo de várias aprendizagens, uma das quais o exercício dos primeiros acordes de guitarra com os cantores Mamborró e Joseca, que à época tinham noções do instrumento. Estávamos numa altura em que decorriam as dinâmicasdo movimento da renovação estética, reveladas pelas propostas musicais de Filipe Mukenga, André Mingas e Waldemar Bastos, para além da audição da música de autores da soul music norte-americana, nas vozes de  Louis Amstrong, Otis Redding e Nat King Cole, dois factores que influenciaram a obra de Ângelo Boss.
Ângelo Boss caracterizou deste modo os contornos da sua música: “Considero-me um cantor e compositor versátil. A verdade é que cresci, musicalmente, no interior da Rádio Nacional de Angola. Consigo fazer, de forma natural, várias viagens com a voz e as minhas incursões nas baladas, o meu estilo eleito, são muito frequentes. As minhas influências são conhecidas pelo grande público, e foiincontornável o impacto da obra de Filipe Mukenga, André Mingas e Waldemar Bastos”.
Filho de Manuel Velasco Domingos Ramos e de Domingas Manuel Costa Ramos, Ângelo Manuel Velasco Ramos, Ângelo Boss, nasceu em Luanda, na Rua da Brigada, Bairro Rangel, no dia 4 de Dezembro de 1970. Pisou o palco pela primeira vez como cantor infantil no dia 1 de  Junho de 1984, integrado no “Grupo do pica-pau” daRNA, Rádio Nacional de Angola, com as Gingas da Gersy Pegado, Mamborró, Joseca, João de Assunção, Manax, Alberto de Matos, Tony Kaboko, Gisela Góis e Nicinha Rocha. Um grupo que chegou  arecebe aulas de Massemba, Rebita, com o Mestre Geraldo.
Em 1985 deu início à sua carreira a solo interpretando o sucesso “Wassamba”, uma tema baseado no livro “As aventuras de Ngunga” do escritor Pepetela, tendo feito parte do primeiro grupo de músicainfantilda RNA que representou Angola na Alemanha no mesmo ano.  Enquanto autor de canções infantis  gravou o seu primeiro tema,   “Crianças alegres”, em 1986, iniciando um processo de plena criatividade, enquanto compositor.
Em 1987, Ângelo Boss terminou a carreira infantil e gravou a canção “Miúdos”, letra do escritor Manuel Rui Monteiro, em dueto com José Kafala e consagrou-se no espectro musical angolano, em 1992, com o lançamento do sucesso "Kimbokuia"integrado nos "Broncas" ,grupo que realizou concertos com Eduardo Paim, Ruca Van-Dúnen e José Mónica. Em 1994, Ângelo Boss fixou residência em Portugal, ajudado por Barceló de Carvalho, Bonga, onde começou a fazer concertos ao vivo nas discotecas e bares de norte a sul com a banda  “Africanto”, incluindo apresentações a solo, com voz e violão.

Internacionalizações


No seu estilo característico “baladas”, em voz e violão,Ângelo Boss fez vários concertos na Inglaterra, Holanda, Espanha, França, Bélgica, Alemanha, Brasil, Moçambique e África do Sul, e tem gravado e divido o palco nos últimos anos com músicos, cantores e compositores  de renome internacional como Jean-Claud Naimro, dos Kassav, Bonga, Ali Angel, Grace Évora, Jean-Pierre Zabulon, Thierry Doumerge, Johnny Ramos, Gui Nsangué, Jorge Cervantes, Ciro Bertini, Dabs, Betinho Feijó, Carlitos Chiemba, Dominique Gengoul, Roger Moreira, Tony Sá entre outros.

Canção “Cupido”

Escrita em Lisboa, num dos jardins da Amadora,  em 1994, “Cupido” é uma das canções mais conhecidas do Ângelo Boss, uma composição de amor que,  pelo impacto na carreira do cantor, transcrevemos a letra integral: “Ama quem adora/ adora quem ama/ liberta o teu coração/ fala comigo/ please dontgo/ o primeiro beijo/ foi o sinal / a dor no peito a razão/ integra-te em mim/ não vais te dar mal/ quando o cupido investe/ e a canção obdece/ há chuvas de amores/ paixões bem dentro de nós…

Concerto  na Trienal

No concerto realizado no sábado último, Ângelo Boss, voz e violão, apresentou no palco “Ngola” do Palácio de Ferro, acompanhado por, Mayo Snake, teclas, K.D, guitarra baixo, Yarke Spin, guitarra solo, Dalú Roger, percussão, Sílvio Nascimento, “Vivito”, dikanza, e Dorgan Nogueira e Betty Tavira, nos coros, e interpretou as canções “Ngassakidila”, “Dedico”, “Paula Sexy”,”Nga Messena”, “Beijo”, “Moda vida”, “Wassamba”, “Luanha”, “Pecado carnal”,”Pétalas de Rosas”, “Vida”, “Wassaluka kiá”, “Cupido”, “Eu e tu”, “Eué Nanda”,  “Ausência”, “Vavô samba”, “Nasci”, “Aldina”, “Big Boss”, “Ngapa” e  “Kimbo Kuia”.

  Canções e discografia referencial do autor de “Big Boss”


Ângelo Boss  gravou o seu primeiro CD “Gato preto”, em 1997, produzido pelo cantor e acordeonista, Rey Webba, disco editado pela “Sons de Africa”, com os temas, “Tá male”, “Fim do mundo”, “Menina de Moçambique”, “Let’sgoon”, “Kimbo”, “Aldeia”, “Eu e tu”, “Cupido”, “Fim do mundo II”, “Gato preto”, mix, e “Fim do Mundo, mix. O seu segundo CD, “Kota dá só”,  surgiu no mercado em 1998 com um “Intro” e as canções,  “Paula sexy”, “Depois do prazer”, “Kota dá só”, “Tixico” , “Carnaval na marginal”, “Super fogosa”, “Justa vaidade”, “Coroa de rainha”, “Dona do meu ser”, “Doença do Kindele”, “Kota dá só II”, Coroa de Rainha, Mix, e  Carnaval da Marginal, Mix.
Em 2001 lançou o CD “Angola ku Muxima”, vencendo na categoria “Disco de semba do ano”, dos prémios da Rádio Luanda, com o tema “Big Boss”. “Angola ku Muxima” inclui, para além do sucesso “Big boss” as canções, “Butenen loco”, “Pecado Carnal”, “Romance Lindo”, “Chila”, “Garota”, “Queda” e “Ausência”.
O álbum “Huambo”, 2004, foi gravado em homenagem a província do Huambo, uma das mais sofridas pela guerra civil angolana e inclui as seguintes canções: “Nga Sakidila”, “Nteni medo”, “Chiuaua”, “Cunhada” , “Huambo”, “Milonga sex”, “Mataku bá”, “Vida minha” e “Nga messena”.
Por último Ângelo Boss lançou o CD “Kizomba Muangolé”, em 2011, com  os temas, “ Da Valor no meu amor” com participação de Johnny Ramos, “Xé Coração”, com  Jean-Pierre Zabulon, “Kizomba muangolé”, Jean-Claude Naimro, “Mina de diamantes”, “Orgulho angolano”, Remix,  “Calumba Muxima”, Belinha, “Bebedeira”, com participação especial de Grace Évora, “Dinheiro é meu”, “História do semba” e “Quem sou eu”.

Tempo

Multimédia