Eddy Tussa homenageia Mamukueno

Roque Silva |
29 de Novembro, 2014

Fotografia: francisco bernardo

Eddy Tussa realizou na Casa 70 em Luanda o último de dois concertos em agradecimento ao III lugar alcançado na última edição do Top dos Mais Queridos, com o tema “Monami”, original de Tony do Fumo.

Durante três horas, o artista levou o público para uma viagem pelos melhores sucessos dos discos “Izenu Mutale” e “Grandes Mundos”, interpretou canções com os músicos convidados e homenageou o malogrado Mamukueno.
O artista cantou “Eza ku Nguiambela”, em homenagem ao falecido músico, enquanto no ecrã era exibida uma fotografia deste abraçando o autor da composição.
 Eddy Tussa, que é actualmente um dos jovens defensores dos ritmos nacionais, em especial o semba, foi acompanhado pela sua banda, integrada por Bebé (congas), Bopen (teclas), Mayó (baixo), Pascoal (solo), Yarque (ritmo), Vado (bateria), Beeks (saxofone), Lolito, Madrinha e Djamira (coros).
O anfitrião chamou a atenção, ao longo do espectáculo, para a importância de se continuar com o legado de grandes nomes da música urbana angolana, como David Zé, Artur Nunes, Elias dya Kimuezu, Kiezos, Jovens do Prenda e Tony do Fumo.
Os momentos mais marcantes foram para os duetos que Eddy Tussa fez com os artistas convidados, como Calabeto, com quem cantou “Ngui dia ngui nua Calu”, Anna Joyce, “Vizinha Maria”, Bruna Tatiana, “Amor a Mwangole”, o grupo Julu, “Kina”, Yuri da Cunha, “Mama Coleno”, e o antilhano Guilou Lafage, “Doudou Pardonnné”.
Os artistas também cantaram temas de sua autoria, com maior destaque para Yuri da Cunha, que acompanhado das bailarinas Mónica, Tânya, Rosemery, Margareth e Bernardeth, arrancou gritos e assobios do público, e Guilou, que “matou” as saudades dos fãs com sucessos como “Vine O Swé Lá”, “Jesus” e “Fille du Soleil”.
A solo interpretou “Kikola”, “Njinvunda”, “Se apoderou”, , “Nzenze”, “Fininho”, “Margarina” e “Izenu Mutale”.

Elogio aos artistas


Impressionado pela forma como a banda tocou as suas músicas, Guilou Lafage afirmou ao Jornal de Angola que os artistas angolanos só dependem deles próprios para conquistarem o mercado internacional.
O músico disse ter ficado impressionado com o espectáculo dos instrumentistas que compõem a banda de Eddy Tussa, particularmente por ainda serem muito jovens. “É preciso uma maior aposta nestes novos talento”.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA