Filipe Mukenga hoje em concerto


12 de Maio, 2017

Fotografia: Paulo Mulaza | Edições Novembro

O músico e compositor Filipe Mukenga volta ao palco da III Trienal de Luanda, desta vez para um concerto-homenagem a ter lugar hoje, às 21h00, no palco “Ngola” do Palácio de Ferro.

O momento insere-se no quadro da valorização dos artistas que a Trienal de Luanda tem vindo a desenvolver há já algum tempo. O mesmo consiste em prestar tributo às figuras que contribuem para a expansão da cultura angolana.
Nesta senda, já foram homenageadas figuras como Marito dos Kiezos, Zé Keno dos Jovens do Prenda, Xabanu (2016), Matadidi, Joãozinho Morgado, Boto Trindade e Mestre Kituxi no presente ano.
O homenageado, Filipe Mukenga, vai ter o suporte instrumental de uma formação de jovens músicos com Nino Jazz na direcção musical e teclado, Pedro Aguilar na guitarra baixo, Mário Gomes na guitarra solo, Ivan Campillo na bateria e Dalu Roger na percussão.
Mukenga vai mostrar que é capaz de proporcionar concertos com conceitos diferentes. Temas como “Angola no coração”, “Minha terra, terra minha”, também conhecida como “Filho de Cabinda”, “Blues pa Nguxi”, “Kianda ki anda” e “Ndilokewa” são alguns dos que constituem o vasto reportório do homenageado, ­como aconteceu nos dias 7 de Maio e 28 de Agosto de 2016 e 18 de Fevereiro deste ano.
Filipe Mukenga é o nome artístico de Francisco Filipe da Conceição Gumbe, o que justifica o título do álbum de estúdio “Meu lado Gumbe”. Mukenga nasceu a 7 de Setembro de 1949. Com apenas 14 anos, pisou o palco pela primeira vez no programa “Chá das Seis’’, interpretando um tema de Charles Aznavour. Começou a tocar em 1964 por influência dos Beatles. O artista tem publicados os discos “Novo som” em 1990, “Kianda ki anda” em 1994, “Mimbu iami” em 2003, “Nós somos nós” em 2009 e “Meu lado Gumbe” em 2013. Refira-se que, no passado dia 18 de Fevereiro, o artista abriu a temporada dos concertos de 2017.
A III Trienal de Luanda teve início no dia 1 de Novembro de 2015 e vai até finais de Agosto do corrente ano, sob o lema “Da utopia à realidade”. Esta iniciativa cultural visa resgatar, preservar e divulgar as obras e criadores angolanos que trabalham para o desenvolvimento da nossa hegemonia cultural, nas mais variadas disciplinas artísticas. A III Trienal de Luanda já realizou, desde Novembro de 2015 a 7 Maio deste ano, 2.203 eventos, 2.704 artistas participaram, assistido por de 215.422 pessoas.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA