Gala do Variante anima cidade de Ondjiva

Manuel Albano | Cunene
5 de Novembro, 2014

Fotografia: Adérito Cortez

Flay, músico e líder da banda Voga, mostrou-se, ontem, preocupado com a falta de condições no local da realização, este ano, da gala de consagração do Festival Nacional de Música Popular Angolana “Variante 2014”, que acontece, amanhã à noite, na cidade de Ondjiva, província do Cunene.

Em declarações ao Jornal de Angola disse que o recinto da Feira Agropecuária não oferece condições técnicas para a realização de um festival à dimensão do Variante, por ser um local aberto e nesta altura do ano “pode chover a qualquer momento e meter em causa a realização do concurso”. Referiu que o local está mais adaptado para a realização de espectáculos de massas, uma vez que é um recinto aberto. “Para um concerto como o Variante justificava-se um local com maior segurança para os artistas e espectadores” alertou.
Felicitou os concorrentes pelo empenho e dedicação apresentado ao longo das duas semanas de ensaios. “Estamos todos empenhados em que o concurso possa movimentar na noite de quinta-feira os habitantes da província do Cunene."
Flay elogiou o facto de os artistas estarem a apostar nos estilos tradicionais de raiz, permitindo uma maior valorização da cultura nacional. “A originalidade de alguns concorrentes e as inovações têm permitido a banda evoluir e ter contactos com novas realidades rítmicas”, disse.
Realçou o facto de o Variante poder ser realizado não só em Luanda, mas em outras partes do país, como uma forma de poder fomentar também o turismo  cultural, conhecer outras culturas, povos e os seus hábitos e costumes. “Normalmente tem sido sempre nos mesmos locais, com particular destaque para Luanda, o que não ajuda a promover o intercâmbio entre os artistas das diferentes regiões do país.”
Formada há 13 anos, a Banda Voga é composta por Flay (líder e vocalista), Tio Toy (percussão), França (guitarra ritmo e solo), Ferro (guitarra baixista), Sabas (bateria), Sancara (solista) e Lito (teclados), as coristas Nayana e Marinela. Nos teclados a banda conta com a participação especial de Hugo Macedo.

Atraso dos equipamentos

O director artístico e saxofonista da banda Jabunba, Bartolomeu “Meu”, disse ontem, em Ondjiva, que o atraso na chegada dos equipamentos de som àquela cidade   condicionou o começo dos ensaios que deviam começar às primeiras horas da manhã de terça-feira.
Apesar deste constrangimento, garante estar tudo a postos para a realização de um excelente espectáculo. “Estamos todos empenhados em realizar um espectáculo à dimensão das edições anteriores do Variante. Estamos apenas a fazer alguns ensaios de acertos porque existe alguns concorrentes que tiveram pouco tempo de contacto com as bandas”, disse.
O responsável lamentou as condições oferecidas no local para a realização do concurso. “Se a organização pudesse rever e escolher um outro sítio ajudaria a valorizar mais o espectáculo”, disse.
A banda Jabumba é formada por Bartolomeu (líder e saxofonista), Maurício (órgão), Sisi (guitarra baixo), Patrick (guitarra solo), Magia (baterista), Chico (percussão) e Bruno, Elizabeth e Sónia (coros).
Fundada a 8 de Marco 2009, a ideia da criação da banda Jabunda surgiu do músico Bebé Duia, que actualmente exerce as funções de director para a área cultural do Centro Cultural e Recreativo Jabunda.
Além da fase competitiva, a organização convidou os músicos Bangão, Yola Semedo e W. King, para participarem no espectáculo.
O Festival Nacional de Música Popular Angolana “Variante” foi instituído em 1984, visando a descoberta de novos valores e a valorização da música angolana.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA