Cultura

Intercâmbio cultural deve ser dinamizado

O cantor Isidro Canta considerou quarta-feira, em Luanda, que o intercâmbio artístico e cultural entre os criadores angolanos e de outros países africanos deve ser dinamizado, cada vez mais, para o bem do continente.

Isidro Canta disse que vê com muita tristeza o facto de poucos africanos mostrarem o seu talento em Angola, assim como os angolanos apresentarem a sua arte em várias partes de África.
“Precisamos de fazer tudo para que os cantores, actores, dançarinos, artistas plásticos e outros criadores interajam muito mais, de modo a divulgar, cada vez mais, as nossas culturas e ajudar a desenvolver os nossos países”, asseverou.
O cantor fez saber que os artistas angolanos não devem pensar apenas nos países lusófonos, pois, como exemplificou, há um vasto mercado artístico nos países africanos anglófonos e francófonos.
Isidro Canta criou há cinco anos o Projecto Cultural Descoberta que tem estado a reunir artistas nacionais de modo a propiciar, brevemente,  o intercâmbio cultural entre criadores angolanos e de outros países africanos. Fazem parte do projecto Isidro Canta, Dom Caetano, Zeca Moreno e Guilherme Kwanzi.
Isidro Canta, nome artístico de Isidro Filipe Helena, nasceu no município do Soyo, província do Zaíre, aos 27 de Abril de 1956 e fez parte da Banda Rei do Congo.

Tempo

Multimédia