Paulo Flores incentiva a criatividade

Manuel Albano|
26 de Novembro, 2014

Fotografia: Kindala Manuel

Paulo Flores incentivou, ontem, em Luanda, a nova geração de artistas nacionais a ser mais criativa e espontânea nas composições musicais por serem factores que os distinguem.

O cantor disse ao Jornal de Angola estar disposto a colaborar com artistas da nova geração que apresentem projectos que ajudem a mudar a mentalidade das comunidades. “A minha intenção é transmitir conhecimentos e permitir que haja maior interacção entre os músicos para benefício da sociedade”, declarou.
Paulo Flores mostrou-se feliz por saber que alguns membros da nova geração de artistas tem sabido explorar a sua criatividade.
“Precisamos de artistas como Anselmo Ralph e Yuri da Cunha, que sabem procurar o melhor e mesmo com o sucesso continuam as mesmas pessoas. A humildade é a única coisa que nos resta depois dos aplausos”, referiu.
O vencedor do Prémio Nacional de Cultura e Artes e do Top dos Mais Queridos, Paulo Flores pediu ainda aos jovens artistas uma maior preocupação na divulgação da angolanidade e da identidade nos espectáculos no estrangeiro. “Devemos honrar o país, valorizando as raízes nacionais, quando convidados para actuar noutros países.”
O músico disse ainda que se sente “vaidoso por saber que muitos jovens” têm nele a principal referência musical, pela forma natural e simples de estar e abordar as diferentes questões sociais dos angolanos na música.
“Devemos encarar a música como uma profissão e trabalhar com honestidade, verdade e espírito de sacrifício”, salientou.
É importante igualmente, prosseguiu, que os jovens cultivem a memória recente e tenham noção dos ritmos populares e urbanos de Angola. “Mesmo que se cantem outros géneros é importante respeitar e valorizar as origens”, deslarou. Enquanto artistas, disse, é essencial dar voz aos problemas das pessoas e às suas perspectivas e desta forma conquistar outros mercados e a promover os costumes nacionais.
Paulo Flores é das principais referências da música em Angola, revelando nas suas criações os valores da cultura do país, desde a sua herança patrimonial, às suas expressões mais vanguardistas, através de uma procura constante de novas fórmulas e sempre aberto às tendências artísticas nacionais e internacionais.
“Ainda o País que Nasceu meu Pai”, “Boda”, “Clarice”, “Coisas da Terra”, “Está a Chegar a Hora”, “Festão”, “Mana Xiquita”, “Minha Velha”, “Poema do Semba” e “Serenata Angola” são alguns dos seus temas mais conhecidos e adaptados por artistas nacionais e estrangeiros.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA