Cultura

Projecto Palancas Negras reedita sucessos de Sebem

Roque Silva |

Músicas do cantor Sebem estão a ser regravadas por intérpretes femininas de kuduro, para integrar um projecto discográfico intitulado “As Palancas Negras”.

Projecto “As Palancas Negras” inclui a gravação de um CD e DVD com várias canções de Sebem um dos mais representativos kuduristas do país
Fotografia: Edições Novembro

O repertório do projecto está a ser preparado ao pormenor e as músicas são interpretadas por nove cantoras, entre as quais Tuga Agressiva, Ludmila, Flor de Raiz e Dama Picante.
O Jornal de Angola apurou de uma fonte próxima da produção que dentre as músicas de Sebem a serem regravadas constam os êxitos “Felicidade”, “Makumba”, “Candimba”, “Cala a boca” e “Tua boca é esquadra”, sendo algumas com a colaboração de DJ Demoni.
A nova roupagem do primeiro tema (“Felicidade”), o maior sucesso do carismático cantor, que está afastado dos palcos e estúdios há mais de quatro anos por doença, já se encontra gravado e o videoclipe em fase de produção.
O registo audiovisual, cujas imagens foram captadas em algumas artérias de Luanda, vai ser usado para promover o projecto, garantiu a fonte que pediu para não ser identificada “por se tratar de uma iniciativa que se encontra na fase embrionária que pode carecer ainda de uma autorização dos detentores dos direitos de autor e envolver acordos”.
Com o projecto, os intervenientes pretendem prestar tributo a uma das figuras mais emblemáticas do ritmo kuduro, criado em Angola no princípio dos anos 90 ao qual Tony Amado é considerado o seu criador. Para o projecto, que se encontra na fase inicial e tem como mentor o agente cultural Jota Love, foram escolhidas algumas cantoras cujas carreiras mereceram pareceres de Sebem. “Ele sempre esteve disposto a tecer considerações sobre o trabalho daquelas pessoas que o procuraram. Os nomes artísticos de muitas kuduristas, entre elas as que também integram o projecto, foram sugeridos por Sebem, inclusive a forma como seguirem as carreiras aconselhadas pelo mesmo”, concluiu a fonte.

SAPO Angola

Tempo

Multimédia