Cultura

Show do Mês apresenta o melhor de Maya Cool

O músico Maya Cool é o cartaz do projecto musical Show do Mês, que se realiza amanhã e sábado, no Royal Plaza Hotel, em Talatona, naquela que vai ser o regresso do autor de sucessos como “Ti Paciência” e “Lágrimas” aos grandes palcos.

Sucessos do autor de “Ti Paciência” são tocados amanhã e sábado em Talatona
Fotografia: Kindala Manuel | Edições Novembro

Depois de ter marcado a década 90, tornando-se numa das principais referências da música angolana, na altura, Maya Cool perdeu algum fôlego em termos de espectáculos de grande dimensão, embora as suas músicas continuem sempre a fazer sucessos, com destaque para “Ti Paciência”, tema vencedor do Top dos Mais Queridos em 2008.
Nos últimos anos, o músico tem realizado espectáculos em vários países, com destaque para Portugal e Moçambique, onde a música angolana é muito consumida. O seu último trabalho discográfico, intitulado “Certeza”, saiu em 2012, onde se destaca o tema “Ancoró”, mas as suas músicas mais emblemáticas fazem parte dos álbuns mais antigos, como “Igual a ti” e “Lágrimas”.
É com o objectivo de recuar no tempo que a Nova Energia seleccionou Maya Cool para o Show do Mês referente a Outubro, a ser realizado amanhã e sábado em Luanda, para recordar os seus maiores temas, como “Dia D”, “Liguei”, “Sereia”, “Boca azul”, “Junta ma nos”, “Materialista”, adicionando sucessos mais recentes como “Ancoró”, “Maka grande” e “Te juro”.
Há muita expectativa em torno dos concertos, por se tratar de um músico que era, para muitos, visto como sucessor de Eduardo Paim, pela trajectória e o facto de trabalhar durante muitos anos com o “General Kambuengo”.
A propósito, Maya Cool, depois de transitar da música infantil, na sala piô da Rádio Nacional de Angola, viajou para Portugal, onde foi recebido por Eduardo Paím que se tornou o seu mestre. Aprendeu a tocar vários instrumentos e produziu o seu primeiro disco, começando a trilhar um caminho de sucesso, numa altura em que o music hall angolano era dominado por Paulo Flores, Ken Boys, Tropical Band, Versáteis, Don Kikas, Tony Amado, Zé Mónica e Fernando Santos. O artista é acompanhado por uma banda formada por Chico Santos (Congas), Beny (Teclados), Yark (Guitarra), Pascoal (Guitarra), Pedro (Baixo), Yasmane (Percussão), Apolinário (Bateria), Lisbet (Flauta), Rigoberto (Saxofone), Raidel (Trompete), Lázaro (Trombone), Agnes (Violino), Damian (Violino), Cupull (Celo), Yadira (Coro), Raquel (Coro) e Tchilo (Coro).

Perfil do cantor
Lucas de Brito Pereira da Silva, vulgo Maya Cool, é o nome de um artista que ainda criança “mergulhou” no mundo da música, tendo a Rádio Nacional de Angola (RNA) como ponto de partida e projecção, nos tempos do piô-piô.
Natural de Luanda e possuidor de um carácter vistoso, o autor cresceu no município do Golfe e no bairro da Terra Nova (Rangel), onde descobriu a sua veia musical, sob influencia de sua mãe e de um professor do ensino primário.
Na altura tímido e de poucos anseios, Maya Cool ingressou num grupo coral da igreja católica, onde surgiu a ideia de efectuar um teste na RNA, a fim de ingressar no grupo de cantores infantis piô-piô.
Naquela estacão emissora, que “abriu-lhes as portas” ao mercado angolano, o cantor conviveu com outros artistas renomados, na época, como Angelo Boss, Mamborrô, Joseca, Lopes Cortez, Mara Max, entre outros.
Em 1988, Maya grava o seu primeiro grande sucesso, intitulado “A Moringa”, adaptado de um tema tradicional, a qual se seguiram outras canções de sucesso, como “Nelson Mandela” e “1 de Junho”.
Segundo ele, o apelido de Maya Cool surgiu numa altura em que o artista interpretou, com brio, uma canção do musico brasileiro “Ti Maya”,que levou os colegas do piô-piô a chamarem-no por aquela designação.

Tempo

Multimédia