Voto Gonçalves canta na Trienal


24 de Junho, 2016

Fotografia: Vigas da Purificação

“Esperança do amanhã”, “Zeno bhoba” e “Mambos da vida” são algumas das canções dos álbuns “Novos Tempos” e “Pão com Chouriço” que o músico Voto Gonçalves vai interpretar hoje às 21 horas, no palco Ngola da sede da III Trienal de Luanda, no Palácio de Ferro.

Acompanhado pela Banda Maravilha, o cantor vai efectuar uma “viagem no tempo”, ao som de kilapanga, semba, zouk e afro-house.
De acordo com uma fonte da organização, Voto Gonçalves vai interpretar melodias que abordam questões sociais, desde que se juntou ao grupo Makaku Muxima (Problema no Coração).
Com o referido grupo, António Jesus de Oliveira Gonçalves “Voto Gonçalves” gravou um single, que incluiu os temas “Xico Zé” e “Ngui banza Teté” e exibiu-se nos palcos do Maxinde, União de São Paulo e Ginásio, antigos espaços de diversões  cultural de Luanda. 
O veterano artista nasceu no bairro Marçal, em Luanda, no dia 12 de Fevereiro de 1949.
O grupo folclórico Kituxi e os DJ Paulo Alves, Leandro Silva e Gilson EF também actuam hoje na Trienal de Luanda.

Totó ST

O músico Serpião Tomás “Totó ST” canta amanhã no palco Ngola da III Trienal de Luanda, acompanhado por artistas nacionais, entre os quais Nino Jazz (teclado), Dilson Peter (bateria), Mayo Bass (guitarra baixo). Totó ST, que se notabilizou com a música “Abre a porta Tânia”, vai interpretar canções dos três discos que gravou, designadamente “Vida das coisas” (2006), “Batata quente” (2009) e “Filho da luz” (2013). Os temas musicais reflectem temas sociais, com indicam os títulos “Não é marido”, “Por beber”, “Eu vou” e “Por amor”.
O músico promete proporcionar bons momentos aos apreciadores do afrojazz, bossa nova e soul music.
Nascido a 20 de Março de 1980, em Luanda, tem no seu currículo várias distinções, entre as quais o prémio de “Melhor Afro Jazz -World Music” no Angola Music Awards de 2015 e no mesmo ano venceu o troféu de “Melhor Afro Jazz” do Top Rádio Luanda.
Além do músico  e compositor Totó ST, o pianista João Oliveira vai fazer mais uma apresentação, inserida no projecto Kutonoka.
A Trienal de Luanda teve início no passado 1 de Novembro  e vai terminar a 30 de Novembro, sob o tema “Da utopia à realidade”. Segundo o patrono da Fundação Sindika Dokolo, a Trienal de Luanda é muito mais do que um espaço de arte. “É um símbolo de liberdade, um espaço para alargar o espectro do diálogo cultural”, explicou. Do tradicional à arte multimedia, a Trienal é uma ampla manifestação cultural que se contrapõe à violência, respeita e valoriza a diferença.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA