Cultura

Músico Sam Manguana é distinguido no Paraíso

Manuel Albano |

Sam Manguana é homenageado neste domingo a partir das 11h00, num espectáculo com entrada livre, no Complexo Turístico Weza Paradise, nas imediações do Campo 11 de Novembro, em Luanda, inserido no projecto “Palco das Recordações”.

Espectáculo visa homenagear o autor de “Tio António” pelas mais de cinco décadas de carreira
Fotografia: Eduardo Pedro | Edições Novembro

O espectáculo   comemora  os 54 anos de carreira do cantor e  conta  com alguns convidados  como Matadidi Mário, Teddy Nsingui, Filho do Zua e Gersy Pegado, a única voz feminina.
Os cantores vão ter o suporte musical da banda Movimento, pertencente à Rádio Nacional de Angola (RNA), que é constituída por Chico Madne  e Nino Gomes (teclados), Teddy Nsingui (viola solo), Quintino (guitarra ritmo), Mias Galheta (baixo), Romão Teixeira (bateria), Correia Miguel (percussão), Massoxi (voz e dikanza), Mister Kim (vocalista principal), Beth Tavira e Dorgan Nogueira “Gigi” (coros) e Bigodinho (suporte técnico).
Sam Manguana vai interpretar os seus maiores sucessos com destaque para “Pátria Querida”, “Padrinho”, “Bana Ba Cameroun”, “Transberos”, “Senegal”, “Afogne”, “Susana”, “Minha Angola”, “Soweto”, e “Tio António”, este último para recordar aos presentes o tempo da repressão colonial em Angola
Durante o concerto, o músico prevê   fazer uma incursão pelo repertório de outros colegas nacionais e internacionais que influenciaram a sua carreira artístico, com destaque para Rocheraux e Doutor Nico.
Samuel Manguana, mais conhecido nas lides musicais por  Sam Manguana nasceu a 21 de Fevereiro de 1945, em Maquela do Zombo, província do Uige. O músico começou a sua carreira em 1963, com Rocheraux e Doutor Nico, na Banda African Fiesta, no antigo Zaire.
O responsável do espaço cultural disse ao Jornal de Angola que  o objectivo é homenagear figuras angolanas não apenas pelo o seu talento artístico, mas acima de tudo, pelo valioso contributo prestado à divulgação da música angolana no país e também no estrangeiro.
Gaspar Neto afirmou que pretende dar continuidade ao convívio à base da tradição nacional, para ajudar a manter vivas as recordações de várias décadas da música popular angolana nos bairros periféricos.
O proprietário do Weza Paradise disse que está a procurar uma nova plataforma de  fazer cultura, razão pela qual tem estado a promover uma série de homenagens a cantores com um percurso artístico com mais de cinco décadas de carreira. “Estamos a preparar uma festa na qual pretendemos criar um momento de muita recordação e nostalgia por tudo que Sam Manguana tem feito em prol da divulgação das nossas raízes além-fronteiras”. 
No “Palco das Recordações” já foram homenageados  os músicos Marito, Zé Keno, Elias dya Kimuezo, Dina Santos, Clara Monteiro, Massano Júnior e Pedrito, bem como os agrupamentos Kiezos, Jovens do Prenda, Olímpia, África Fiesta e Afro Sound Stars.

Tempo

Multimédia