Njinga Mbandi recua da anterior decisão

Manuel Albano |
28 de Fevereiro, 2015

Fotografia: Paulino Damião |

O grupo União Njinga Mbandi, do município de Viana, classificado em quarto lugar, com 776 pontos, na edição 2015 do Carnaval de Luanda, vai participar nas próximas edições, depois do anúncio da direcção de nunca mais se exibir na maior manifestação cultural na capital do país.

Toni Mulato, presidente do grupo, disse ontem ao Jornal de Angola que a direcção recuou da intenção de “não mais participar no Carnaval de Luanda”, satisfazendo desta forma uma solicitação dos admiradores do grupo e da Administração Municipal de Viana.
Toni reconheceu a importância de se continuar a participar na festa pelo número de foliões que actualmente fazem parte da União Njinga Mbandi, único grupo do município de Viana da classe A que participa no Entrudo de Luanda.
A vontade de todos os integrantes do grupo em continuar a participar no Entrudo “deixou a direcção sem alternativas e foi motivada a continuar a deixar a sua marca no desfile dos próximos anos”, reconheceu.
A direcção já começou a trabalhar internamente para a edição do Carnaval de Luanda de 2016, na qual o objectivo passa por identificar os erros da edição deste ano: “O objectivo é apenas dançar o Carnaval como antigamente e não mais pensar em prémios”.
Actualmente, os grupos estão mais interessados em participar no Entrudo por causa do dinheiro. “Antigamente festejávamos, manifestando por meio de danças e canções a alegria de viver o Carnaval ”, disse.
Por estes motivos, vão continuar a mobilizar centenas de adultos, jovens e crianças para participarem nas próximas edições do Entrudo. “ O Carnaval é exultação do povo e o município de Viana tem tradição na maior manifestação cultural do país”. Toni realçou que estão conscientes de que os valores em causa não chegam para cobrir as despesas, mas nem por isso vão pensar mais em desistir, por estarem a receber o apoio dos munícipes e Administração Municipal. “Espero que a direcção do Kabocomeu reanalise a sua posição de não mais participar no Carnaval, por ser um grupo histórico e trazer outra alegria à festa”, apelou.
O grupo que este ano homenageou a mulher zungueira, recebe um milhão de kwanzas como prémio. O grupo declarou desistir das próximas edições por alegar parcialidade do júri em alguns itens da pontuação, particularmente no da falange de apoio, onde se sentiram prejudicados. Fundado dia 22 de Janeiro de 1979, o seu comandante é António Domingos, o rei  é Adão Victor, a rainha é Maria de Fátima Salvador. O grupo é actualmente o único a dançar o estilo cabecinha no Carnaval de Luanda.
Este ano escolheram como título da canção, “O sonho continua”, da autoria do músico folclórico Baló Januário. A União Njinga Mbandi participou em sete edições do Carnaval, tendo vencido na edição do Entrudo de Luanda, em 2013.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA