Cultura

Novo museu de Nova Iorque viaja ao mundo em miniatura

A cidade de Nova Iorque tem um novo museu, o Gulliver’s Gate, que reúne réplicas em miniatura de 50 países, ricas em detalhes de locais emblemáticos como a Cidade Proibida de Pequim, o Santo Sepulcro de Jerusalém e a Baía de Guanabara do Rio de Janeiro.


Este novo mundo de habitantes de Lilliput - referência à ilha visitada por Gulliver e onde as pessoas são minúsculas -, cuja instalação necessitou de um investimento de 40 milhões de dólares norte-americanos e quatro anos de trabalho, vai abrir formalmente em 9 de Maio na Rua 44, próximo à Times Square.
Centenas de artistas trabalharam meticulosamente no projecto. Na representação de Manhattan, os visitantes podem ver a polícia intervindo num acidente de trânsito; na de Londres, podem escolher se escutam The Clash, Adele ou The Beatles durante um espectáculo ao ar livre com telas gigantes.
Os aviões também vão descolar de um aeroporto em miniatura interactivo e centenas de comboios e milhares de veículos vão circular por esta instalação de 4.500 m2. Os proprietários esperam cerca de um milhão de visitantes por ano, aproximadamente o mesmo número que recebe o museu Miniatur Wunderland, em Hamburgo, um dos mais famosos do Mundo.
Como referência, o célebre Metropolitam Museum of Arte, mais conhecido como Met e localizado no Central Park, registou no ano passado 6,7 milhões de visitantes. “Isto é apenas o começo”, disse à agência AFP um dos criadores do projecto, Michael Langer. “As nossas equipas estão a construir novas regiões e novos países”, referir.
A entrada do museu vai custar 36 dólares para os adultos e 32 dólares se for comprado pela Internet. Por mais 44 dólares, os visitantes vão poder ser “scanarizados” para ver o seu mini-avatar em 3D juntar-se às 100.000 figuras já exibidas no local. “Eles têm muita competência, nunca vi nada igual”, afirmou Michael Rubin, de 67 anos, uma ex-estrela da rádio que participou na ante-estreia.
“Mais uma coisa para fazer em Nova Iorque, adoro”, comentou entusiasmada Meggie Sullivan, uma educadora de infância de 28 anos que acompanhava uma menina de oito anos.

SAPO Angola

Tempo

Multimédia