Cultura

“O lado Ovimbundu” de Neto inspira autor

Analtino Santos

Um novo livro sobre o “Poeta Maior” está no mercado literário. “O lado Ovimbundu de Agostinho Neto” foi publicado, domingo, na Casa de Cultura Ubuntu, com a chancela da Allende e autoria do historiador Bernardino Luacute.

Maria Eugénia Neto (ao centro) testemunhou o lançamento
Fotografia: DR

O lançamento contou com a presença e contributos de Maria Eugénia Neto, João Ricardo, o editor da obra, Raimundo Salvador, um dos principais impulsionadores da pesquisa, Agnela Barros, responsável do centro, amigos e familiares.
O acto foi transmitido pelo programa radiofónico “Conversas à Sombra da Mulemba”, com a coordenação de Raimundo Salvador, e emitido pela Rádio Ecclesia, aos domingos, a partir das 14h30 até às 16h30. O trabalho resultou de uma pesquisa feita porque o autor não estava satisfeito com o dado conhecido de que Maria da Silva Neto tivesse nascido na Catumbela.
Com prefácio de Patrício Batsikama, o trabalho serviu para mostrar que Maria da Silva Neto nasceu numa Ombala do Balombo, na povoação de Kambanjo. O autor justifica esta proposta com uma serie de entrevistas a familiares maternos de Agostinho Neto na cidade de Benguela e na localidade de Kambanjo, município do Balombo, onde teve contacto com as autoridades tradicionais e outras fontes.
Maria Eugenia Neto ouviu atentamente a proposta apresentada e mostrou-se surpreendida com esta revelação, o que não a impediu de incentivar o autor.
Bernardino Luacute afirma que a omissão e o quase desconhecimento do local, deve-se a alguns aspectos ligados à tradição da aldeia e à protecção dos familiares. “Parte da hipótese de que os aldeões diziam que um dos filhos da terra seria o libertador. É por esta razão que Agostinho Neto se deslocou à desconhecida aldeia de Kambanjo, em Benguela, a 22 de Março de 1975.  Kambanjo foi um dos seus primeiros destinos após o seu regresso a Luanda, a 4 de Fevereiro deste mesmo ano.”

Tempo

Multimédia