"O Velho do Restelo" exibido em Roterdão


25 de Dezembro, 2014

Fotografia: Divulgação

A curta-metragem “O Velho do Restelo”, de Manoel de Oliveira, que se estreou este ano no Festival de Veneza, integra a secção “Signals: Regained”, do Festival de Roterdão, que abre em Janeiro.

O filme conta com as actuações de Ricardo Trêpa, Luís Miguel Cintra, Diogo Dória e Mário Barroso, que encarnam Dom Quixote, Camões, Teixeira de Pascoaes e Camilo Castelo Branco.
O  Festival de Cinema de Roterdão realiza-se de 21 de Janeiro a 1 de Fevereiro, e a programação total é anunciada no dia 14 de Janeiro. O filme estreou-se nas salas portuguesas, no passado 11 de Dezembro, dia em que o realizador completou 106 anos. “O Velho do Restelo” é descrito pelo actor Ricardo Trêpa como a visão de Manoel de Oliveira dos “tempos que correm através de escritos antigos e feitos de grandes figuras da cultura portuguesa”.
Da parte da produtora O Som e a Fúria, Luís Urbano, que mobilizou os recursos para a rodagem do filme, afirmou que a recepção no circuito de festivais foi “entusiástica” e que tem havido conversas sobre futuros projectos, dependentes “da disponibilidade física e de saúde” de Manoel de Oliveira, admitindo que, com o realizador, “tudo é possível”.
Ricardo Trêpa, neto de Manoel de Oliveira, realçou o ânimo do realizador, sublinhando que “a saúde, para ele, não é uma barreira. Até partir, assim vai ser o raciocínio dele. Sempre foi um lutador. Não é agora que vai desistir de uma máxima de vida que é: eu quero e hei de conseguir. Vai até ao fim acreditar que pode fazer mais filmes”.
A curta-metragem é descrita pela produtora como “um mergulho livre e sem esperança na História”, reunindo, num banco do século XXI, “Dom Quixote, os poetas Luís Vaz de Camões e Teixeira de Pascoaes e o romancista Camilo Castelo Branco”, a partir, precisamente, de um texto de Pascoaes.
O filme baseia-se em partes do livro “O Penitente”, de Teixeira de Pascoaes, tem argumento do cineasta e teve estreia internacional no Festival de Veneza, onde foi exibido fora de competição, em Setembro. Manoel de Oliveira foi distinguido este mês com Legião de Honra francesa.
A curta-metragem “O Velho do Restelo”, de Manoel de Oliveira, que se estreou este ano no Festival de Veneza, integra a secção “Signals: Regained”, do Festival de Roterdão, que abre em Janeiro.
O filme conta com as actuações de Ricardo Trêpa, Luís Miguel Cintra, Diogo Dória e Mário Barroso, que encarnam Dom Quixote, Camões, Teixeira de Pascoaes e Camilo Castelo Branco.
O  Festival de Cinema de Roterdão realiza-se de 21 de Janeiro a 1 de Fevereiro, e a programação total é anunciada no dia 14 de Janeiro. O filme estreou-se nas salas portuguesas, no passado 11 de Dezembro, dia em que o realizador completou 106 anos. “O Velho do Restelo” é descrito pelo actor Ricardo Trêpa como a visão de Manoel de Oliveira dos “tempos que correm através de escritos antigos e feitos de grandes figuras da cultura portuguesa”.
Da parte da produtora O Som e a Fúria, Luís Urbano, que mobilizou os recursos para a rodagem do filme, afirmou que a recepção no circuito de festivais foi “entusiástica” e que tem havido conversas sobre futuros projectos, dependentes “da disponibilidade física e de saúde” de Manoel de Oliveira, admitindo que, com o realizador, “tudo é possível”.
Ricardo Trêpa, neto de Manoel de Oliveira, realçou o ânimo do realizador, sublinhando que “a saúde, para ele, não é uma barreira. Até partir, assim vai ser o raciocínio dele. Sempre foi um lutador. Não é agora que vai desistir de uma máxima de vida que é: eu quero e hei de conseguir. Vai até ao fim acreditar que pode fazer mais filmes”.
A curta-metragem é descrita pela produtora como “um mergulho livre e sem esperança na História”, reunindo, num banco do século XXI, “Dom Quixote, os poetas Luís Vaz de Camões e Teixeira de Pascoaes e o romancista Camilo Castelo Branco”, a partir, precisamente, de um texto de Pascoaes.
O filme baseia-se em partes do livro “O Penitente”, de Teixeira de Pascoaes, tem argumento do cineasta e teve estreia internacional no Festival de Veneza, onde foi exibido fora de competição, em Setembro. Manoel de Oliveira foi distinguido este mês com Legião de Honra francesa.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA