Cultura

Obra de Kanguimbu Ananaz é objecto de estudo no Brasil

Manuel Albano

Kanguimbu Ananaz, que em Março apresenta o livro “Seios e Ventres”, na União dos Escritores Angolanos (UEA), disse, ontem, em Luanda, que está surpresa por saber que os seus livros são objecto de estudo nas universidades brasileiras.

Poetisa, cuja obra é analisada no Brasil, lança o próximo livro no mês dedicado às mulheres
Fotografia: Paulo Damião | Edições Novembro

Em declarações ao Jornal de Angola, Kanguimbu Ananaz, que este ano participa no Congresso de Literatura de Língua Portuguesa, organizado pela Universidade de Ciências da Educação Playa Ancha, em Valparaíso, no Chile, pertencente ao selecto grupo de 25 universidades tradicionais do Conselho de Reitores, disse ser um feito marcante enquanto escritora.
Kanguimbu Ananaz disse que se sentiu admirada quando no ano passado, em Luanda, Daiana Nascimento dos Santos, investigadora e docente do Centro de Estudos Avançados da Universidade de Playa Ancha, nascida em Ibirataia, Bahia, directora da cátedra Fernão de Magalhães, vinculada ao Instituto Camões, teceu elogios aos seus poemas durante uma palestra realizada na União dos Escritores Angolano (UEA).
Numa crítica literária sobre o livro “Seios e Ventres”, Daiana Nascimento dos Santos escreve: “Visitar Angola proporcionou-me uma série de sensações já antecipadas pelas leituras da prosa e poesia angolanas, o que se complementa com a leitura do livro ‘Seios e Ventres’ de Kanguimbu Ananaz”.
Neste sentido, a investigadora e docente universitária descreve a escritora angolana como “um exemplo claro de coragem, criatividade e compromisso literário”, tal como se regista, numa das falas da própria autora: “A literatura é um percurso que se faz caminhando”, afirmou acrescentando que para a “investigação é preciso força e coragem”.
“Seios e Ventres”, realça Daiana Nascimento dos Santos, coloca em perspectiva a arte do fazer literário com coragem, força e sensibilidade profunda, traços marcante da escritora angolana ao exercitar a prática literária no discurso poético, por apresentar elementos linguísticos e simbólicos que denotam o cuidado na eleição de cada palavra ao construir o poema. A investigadora acrescenta, que Kanguimbu Ananaz, como uma verdadeira artesã molda cuidadosamente o discurso lírico com elementos linguísticos, simbólicos e semântico para dar forma a uma construção poética heterogénea. “O discurso poético da escritora põe em cena a liberdade, criatividade e a complexidade dos sons, texturas, tons, cheiros e sentidos enfatizados por partes do corpo que ganham forma na escrita fina e cuidadosa de Kanguimbu”.

A construção poética
A professora brasileira Joelma Santos, da Faculdade de Ciências Humanas de Olinda (FACHO), em Pernambuco, Brasil, que assina o prefácio do livro, realça que no discurso poético de “Seios e Ventres” a autora apresenta elementos que vão desde os menores sinais linguístico - semânticos à mais complexa construção poética.
Na obra, disse, detectou as marcas mais simbólicas de uma nuvem que alimenta o sonho num corpo que é a mais pura expressão de vida poética, sendo que o corpo é uma espécie de torre delicada que obriga seios imaginários e ventres férteis, acolhedor de um olhar feminino repleto de imagens “robustas que encantam o céu da boca” de uma alma suspensa pronta para assediar o mar.
Argumenta que no poema “Mensagem queda livre” a escritora “explicita a movimentação espermatozóidica da saudade deslizante. Esse ritmo cadente repõe um ‘areal de sensações’ com mãos que batucam um vendaval de desejos sexuais à porta da relva”.

Tempo

Multimédia