Cultura

Obras de Manuel Lima na “Maka à Quarta-feira”

Os livros “Os anões e os mendigos” e “As lágrimas e o vento” do escritor Manuel dos Santos Lima, abrem um espaço para debate na tradicional “Maka à Quarta-Feira” amanhã, às 18 horas, na União dos Escritores Angolanos (UEA), em Luanda.

Duas obras do nacionalista angolano, residente em Portugal, constituem motivo de debate
Fotografia: DR |

Como prelector, o escritor, jornalista e crítico literário Norberto Costa vai falar sobre o perfil e ficção romanesca do autor.
O membro do Círculo de Estudos Literários e Linguísticos (Litteragris), Waxyakulo Francisco, vai fazer uma abordagem historiográfica, psico e sócio-crítica do livro “As lágrimas e o vento” de Manuel dos Santos Lima.
Publicado em 1984, o romance “Os anões e os mendigos”, define por metáfora a população angolana e africana, em geral, em anões e os dirigentes em mendigos.
 O livro mostra o destino de Davi Demba como o líder, embora hesitante, da libertação da Costa da Prata. Este, após a consumação da Independência, personaliza o poder e instaura, ao longo da narrativa, o que a dedicatória e as epígrafes do livro anunciam.
A não Independência de países africanos, a destruição de sonhos, o totalitarismo, as lutas fratricidas, os crimes e as vinganças.
O livro “As lágrimas do vento” narra a história da guerra colonial vista por quem, tendo sido mobilizado pelo exército português quando frequentava a universidade em Lisboa, acabou por ser comandante das FAPLA. O autor aborda os dois lados da guerra numa escrita convincente, realista, documental, mas extremamente emotiva e envolvente. Manuel Guedes dos Santos Lima nasceu a 28 de Janeiro de 1935, em Silva Porto (actual Cuíto), na província do Bié. Publicou o livro de poemas “Kissange” (1961), a peça de teatro “A Pele do Diabo” (1977) e os romances “As Sementes da Liberdade” (1965), “As Lágrimas e o Vento” (1975) e “Os Anões e os Mendigos” (1984).
Desde jovem que o autor se destaca, apresentando-se como o primeiro classificado no exame de quarto ano do Liceu. Aos doze anos, foi para Lisboa estudar no Liceu Camões e, posteriormente, frequentou a Faculdade de Direito, a partir de 1953. Foi colega de Francisco Sá Carneiro, Jorge Sampaio e Pinto Balsemão. Todavia, o desencanto conduziu-o a desistir de Direito.
Participou no primeiro congresso de escritores e artistas negros, em Paris, em 1956. Manuel dos Santos Lima trabalhou com Léopold Senghor e Aimé Cesaire na revista literária e política “Présence Africaine”.  Foi o primeiro oficial negro do exército português, mas desertou para lutar pela Independência de Angola. Desertou em Damasco, capital da Síria, seguindo depois para Beirute, capital do Líbano, onde havia um núcleo nacionalista africano dirigido pelo moçambicamo Marcelino dos Santos. Coube-lhe a formação do Exército Popular de Libertação de Angola (EPLA), precursor das FAPLA. Leccionou no Canadá até 1982. Ensinou Literatura portuguesa, francesa e espanhola. Leccionou em Rennes, durante 20 anos, e em Nantes, duas cidades francesas, Lisboa (Universidade Moderna) e Angola (Universidade Lusíada).

Escritor e nacionalista

Manuel dos Santos Lima nasceu a 28 de Janeiro de 1935, na província do Bié. Aos doze anos, foi para Lisboa - onde vive actualmente, estudar no Liceu Camões e, posteriormente, na Faculdade de Direito, em 1953, sendo colega de Francisco Sá Carneiro, Jorge Sampaio e Pinto Balsemão.
Participou no primeiro congresso de escritores e artistas negros, em Paris, em 1956, e trabalhou com Senghor e Cesaire, na “Présence Africaine”.
Manuel dos Santos Lima foi o primeiro oficial negro do exército português, mas desertou para lutar pela Independência de Angola. Desertou em Damasco, seguindo depois para Beirute, onde havia um núcleo nacionalista angolano, dirigido por Marcelino dos Santos.
 Entre 1961 e 1963, participou na guerra colonial. Entre 1963 e 1968, estudou Literatura Comparada, na Suíça e a sua tese foi sobre a obra de Castro Soromenho, seu amigo pessoal. Leccionou no Canadá, onde ensinou Literatura portuguesa, francesa e espanhola, e em Rennes, em Nantes, Lisboa (Universidade Moderna) e em Angola (Universidade Lusíada).
Autor de “Kissange” (1961), “A Pele do Diabo”, 1977, (peça do teatro), “As Sementes da Liberdade”, 1965, “As Lágrimas e o Vento”, 1975, e “Os Anões e os Mendigos”, 1984.

Tempo

Multimédia