Cultura

Organização mantém os valores dos prémios

A Comissão Provincial do Carnaval de Luanda garante estarem disponíveis os 15 milhões de kwanzas referentes aos prémios dos cinco primeiros classificados das classes A, B (adultos) e C (infantil) do Entrudo, com os desfiles agendados para os dias 10, 11 e 13 de Fevereiro, respectivamente, na Marginal da Praia do Bispo.

Comissão Preparatória Provincial afina a máquina carnavalesca
Fotografia: Kindala Manuel|Edições Novembro


Os dados foram avançados ontem pelo coordenador da comissão, num encontro com os Órgãos de Comunicação Social, que dá conta que os valores monetários dos prémios são os mesmos atribuídos na edição anterior.
Aos 15 milhões de kwanzas já guardados, como referiu Manuel Sebastião, são acrescidos outros valores para ga­rantir a remuneração do grupo homenageado da presente edição, o União Jovens da Ca­cimba, da Maianga, que recebe 1.500.000 kwanzas.
A classe A amealha a fatia mai­or, sendo um total de 9.200.000  kwanzas, o que per-
mite o pagamento de três milhões ao vencedor, dois milhões ao segundo classificado, um 1.200.000 ao terceiro, um milhão ao quarto e o prémio de 800 mil kwanzas ao quinto.
À Classe B (adultos) é ad­judicado quatro milhões de kwanzas, a ser repartido em 1.500.000 para o primeiro classificado, um milhão, 600 mil kwanzas, 500 mil e 400 mil para premiar do segun-do ao quinto classificados, respectivamente.
Para os Cassules estão disponíveis um total de 2.800.000 kwanzas. Este valor é dividido em um milhão de kwanzas para o vencedor, 700 mil para o segundo, 500 mil kwanzas para o (3.º), 350 mil para o (4.º) e 250 mil para o (5.º).

Encargos financeiros
O Carnaval de 2018 tem en­cargos orçados em 156 mi­lhões de kwanzas, quando na verdade a equipa técnica havia projectado 170 milhões para todas as despesas ligadas a organização e apoio aos grupos.
Manuel Sebastião informou que deste valor vão ser pagos os júris, o aluguer e montagem das infra-estruturas (bancadas), o equipamento de som e de iluminação, os 65 autocarros para a deslocação dos grupos, os estúdios de gravação das canções, edição dos discos com a músicas dos grupos das três classes, marketing e publicidade (revistas) e da força de trabalho.
O coordenador Comissão Provincial do Carnaval do Luanda destacou ainda a contribuição do mecenato cultural para a efectivação do Entrudo na capital, apesar do esforço efectuado pelo Ministério da Cultura que acresceu mais valores aos subsídios dos grupos para permitir uma representação mais condigna.
“Estamos a fazer um esfor­ço para fazer um Carnaval possível, porque apesar das dificuldades, os grupos estão motivados em oferecer uma festa popular digna ao Presidente da República, por ser o seu primeiro. Algumas em­presas estão apoiar a comis­são preparatória e grupos, por isso vamos festejar”.

Tempo

Multimédia