Cultura

Orquestra Sinfónica Kapossoka interpreta clássicos da música

Manuel Albano |

A Orquestra Sinfónica Kapossoka regressa dois anos depois ao palco do Royal Plaza Hotel, em Talatona, para amanhã e sábado,  às 21h00, realizar dois concertos com a interpretação de clássicos angolanos e internacionais, no projecto musical Show do Mês.

 

Alunos da escola preparam as exibições por forma a criarem um momento único e memorável
Fotografia: Contreiras Pipa | Edições Novembro

Promovido pela Nova Energia, os espectáculos têm a duração de 1h45 e privilegiam clássicos angolanos  do agrupamento Jovens do Prenda, de Minguito, Kiaku Kiadaf e Nsoky.
A orquestra sinfónica tem também interpretado temas de Teta Lando, com destaque para “Yembele Yembele”, “Tata Nkento” e “Ntoyo”, além das músicas “Filhos de África”, das Gingas do Maculusso, e  “O Crucifixo”, dos Irmãos Kafala.
Estes temas têm sido muito aplaudidos pelo público, tanto no país como no estrangeiro, pela forma criativa e ousada de as interpretar, criando momentos de empatia  com a plateia, que mais uma vez tem a possibilidade de testemunhar a evolução dos jovens dirigidos por Pedro Fançony. Embora a organização esteja a guardar a “sete chaves” os convidados especiais, que devem fazer parte do concerto, espera-se duas grandes actuações nas noites de amanhã e de sábado, por forma a criar um momento único e memorável.
Com fusões de percussão, bateria, viola e violino, mais de 60 jovens da Orquestra Sinfónica Kapossoka vão interpretar  clássicos internacionais como “Concerto em la maior para cordas” de António Vivaldi. A banda tem dado vida  a outros clássicos de difícil execução como “Eine kleine Nachmusik”, de Mozart, e de outros maestros renomados como Masaaki Hayakawa, Franz Joseph Haydn, Wolfang Amadeus Mozart, Edvard Grieg e de bandas sonoras de filmes famosos.
Baseando-se nos seus concertos em escolas como a venezuelana, japonesa, italiana, alemã e filipina,  o programa pode incluir a exibição das canções “Farandole”, de Georges Bizet, “C’era una volta il West”, de Ennio Morricone, “La Traviata”, de Giuseppe Verdi, bem como “Cavalleria Rusticana”, de Pietro Mascagni, e “Il Padrino”, de Nino Rota.

Um projecto consolidado
De acordo com Yuri Simão, responsável da Nova Energia, a orquestra deve fazer actuações memoráveis pela  evolução   registada nos jovens desde 2015, quando pela primeira vez, a banda foi convidada a actuar no programa Show do Mês. O mentor da iniciativa Show do Mês garantiu ao Jornal de Angola um nível de organização semelhante às edições anteriores. “Pela qualidade e maturidade apresentadas pelos integrantes da Orquestra Kapossoka, acredito que vamos apreciar dois espectáculos mais amadurecidos que vão trazer outra qualidade ao projecto.”
Pessoas de várias gerações, músicos, personalidades da cultura, empresários e a sociedade civil devem encher a sala, nas previsões dos organizadores do Show do Mês, para ver, ouvir e aplaudir a Orquestra Sinfónica Kapossoka.

Nova temporada e histórico
Actualmente, a Nova Energia, no âmbito do projecto Show do Mês, já realizou 68 espectáculos nos quatro anos de existência. Na sua quarta temporada, o Show do Mês já levou ao palco do Royal Plaza, desde Fevereiro, Aline Frazão, Vozes de Março, Jovens dos Prenda e Totó St.
Dentre outros espectáculos, as três edições do Show Piô e os concertos de Eduardo Paim e Euclides da Lomba estão entre as mais marcantes, por transportarem os espectadores numa viagem de celebração dos sucessos de outras épocas. Com instalações na Samba, o projecto Orquestra Sinfónica Kapossoka tem melhorado gradualmente as condições técnicas para a execução da música clássica. A escola  permite aos estudantes de música melhores condições de aprendizagem. Para além de aprenderem música, os jovens têm aulas de etiqueta dentro e fora dos palcos.
A escola de música existe desde Outubro de 2008, inicialmente com 67 crianças. Actualmente inclui mais de mil crianças, e tem como objectivo transmitir valores sociopedagógicos a jovens dos 6 aos 20 anos, e conta com professores provenientes das Filipinas. O projecto é privado, mas tem apoios públicos.  Dentre várias distinções a Orquestra Sinfónica Kapossoka  foi premiada na sétima edição da gala de entrega dos prémios “Angola 35 Graus”, na categoria Cultura e Artes, destinada a homenagear jovens que se destacaram em 2014, numa promoção da empresa Westside Investments, com o apoio do Ministério da Juventude e Desportos.

Tempo

Multimédia