Cultura

Parque Nacional do Iona já recebe turistas

Manuela Gomes

O Parque Nacional do Iona, situado na província do Namibe, tem, a partir de agora, condições infra-estruturais para receber turistas nacionais e estrangeiros, na sequência do Projecto de Expansão e Fortalecimento do Sistema de Áreas Protegidas em Angola.

Ministras do Turismo e do Ambiente falaram do projecto financiado pelo PNUD
Fotografia: Santos Pedro | Edições Novembro

O projecto, desenvolvido desde 2013 pelo Ministério do Ambiente e orçado em mais de sete milhões de dólares, é financiado pela União Europeia e pelo Fundo Global para o Ambiente e materializado pelo Instituto Nacional de Biodiversidade e Áreas de Conservação (INBAC), auxiliado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).
Ontem, foi realizada uma cerimónia, que marcou o encerramento oficial da fase do projecto referente ao Parque Nacional do Iona. O projecto tem vários eixos de actuação: recrutamento, formação,  fornecimento de equipamentos, reabilitação e construção de infra-estruturas, elaboração de estudos sobre as comunidades e gestão dos parques. Um programa de intercâmbio com a Namíbia, Quénia e outros países, levantamento aéreo e uma estratégia de turismo comunitário foram desenvolvidos durante a execução da fase do projecto no Parque Nacional do Iona.
A ministra do Ambiente, Paula Francisco Coelho, declarou à comunicação social que a execução do projecto é um “grande desafio” para o sector e agradeceu aos parceiros pelo êxito alcançado até agora.
Paula Francisco Coelho disse esperar que o projecto atraia investimentos direccionados ao desenvolvimento de actividades ecológicas e confirmou estar o Parque Nacional do Iona a receber já "alguns turistas provenientes de países da SADC".
A ministra do Ambiente lembrou que, durante o conflito armado, algumas áreas de conservação estiveram abandonadas e outras precisavam de financiamento, equipamento e pessoal adequado para a sua gestão.
A ministra do Turismo, Ângela Bragança, considerou “significativo” o facto de o Parque Nacional do Iona estar a receber turistas e insistiu na necessidade de aproveitamento do potencial turístico da província do Namibe. O Parque Nacional do Iona é, agora, um "espaço importante" para o movimento do turismo e a criação de mais postos de trabalho, referiu a ministra, que confirmou estar o Ministério que dirige a trabalhar com o do Ambi-ente na divulgação e promoção do turismo naquele parque nacional.
Sobre o ecoturismo nas áreas de conservação, Ângela Bragança recordou que, no âmbito do projecto “Okavango”, os dois Ministérios estão a trabalhar na organização dos parques.
O Ministério do Turismo quer "aproveitar o desenvolvimento que o Cuito Kuanavale oferece em termos de turismo histórico militar", podendo apresentar, em breve, "o que pode ser feito nesta vertente".
A ministra disse ser possível fazer já turismo nas áreas de conservação em Angola, mas ainda com alguma dificuldade, porque algumas infra-estruturas básicas devem ser criadas.
A Rede Nacional de Áreas de Conservação de Angola é integrada por 14 áreas de conservação, nove parques nacionais, um parque regional, duas reservas naturais integradas e duas reservas pardais. A reabilitação da rede é considerada uma intervenção necessária e importante para a efectiva conservação da biodiversidade de Angola.

Tempo

Multimédia