Descoberta cidade medieval escondida na selva tropical


13 de Junho, 2016

Fotografia: AFP

 A equipa do arqueólogo Damian Evans apresenta hoje em Londres os resultados da exploração, feita através de uma sofisticada tecnologia laser, que chegou à descoberta de uma cidade medieval escondida debaixo da selva do Camboja.

A revelação já tinha sido feita há três anos, quando a equipa do arqueólogo australiano Damian Evans anunciou ao mundo a existência de uma cidade antiga escondida debaixo da floresta tropical à volta do templo de Angkor Wat, Património da Humanidade.
Agora, vai saber-se muito mais sobre a verdadeira dimensão desta urbanização medieval, na sequência das investigações desenvolvidas pela equipa daquele arqueólogo e arquitecto, a trabalhar no projecto “Cambodian Archaeological Lidar Initiative” (CALI), com a Escola Francesa do Extremo Oriente na cidade de Siem Reap, no Camboja.
A cidade é um vasto complexo urbano com uma área de cerca de 1.900 quilómetros quadrados, e que, pela sua dimensão, pode mesmo rivalizar com a actual Phnom Penh, capital deste país do sudeste asiático. A construção deve ter decorrido entre os séculos VII e XII (o templo de Angkor Wat remonta à primeira metade deste século), e a urbanização inclui um elaborado sistema de aproveitamento e distribuição de águas que pode obrigar a rever o conhecimento do desenvolvimento tecnológico até agora reconhecido nesta região do globo.
As investigações foram realizadas com o sistema Lidar, uma sofisticada tecnologia de sensores remotos operados a partir de um helicóptero que cartografa o terreno com raios laser. Os resultados, segundo o jornal “The Guardian”, vão ser divulgados hoje no “Journal of Archaeological Science” e simultaneamente apresentados ao público por Damian Evans na “Royal Geographic Society”, em Londres.
“Foram identificadas cidades inteiras sob a floresta que ninguém sabia que existiam”, disse o investigador australiano ao diário britânico, explicando que as novas descobertas vieram actualizar os resultados da exploração de 2012-13, quando se ficou a conhecer melhor a dimensão da cidade de Mahendraparvata, que fez parte do Império Khmer e fora abandonada há mais de 1200 anos. “Desta vez, conseguimos perceber tudo, e é mesmo grande, do tamanho de Phnom Penh”, acrescentou Evans.
Os novos dados relativos à cidade medieval perto de Angkor Wat levam os investigadores a acreditar que se está na presença de um vasto império urbano do século XII, e que vão levar necessariamente à alteração das teorias actualmente existentes sobre o desenvolvimento do Império Khmer, que entre os séculos IX e XV marcou todo um território que hoje é o Camboja, mas que se expandiu também por zonas actualmente fazendo parte da Tailândia, do Laos e do Vietname.
“O nosso conhecimento sobre as capitais pós-Angkor fornece-nos também novas perspectivas sobre o seu colapso”, explica Damian Evans. “Há a ideia de que, de alguma maneira, os Thais invadiram a região e toda a gente fugiu em direcção ao sul – mas isso não aconteceu, porque não há cidades, como agora podemos perceber através da observação aérea, para onde eles pudessem ter fugido. Isso põe em causa toda a noção que temos do declínio de Angkor”, acrescenta o arqueólogo, em declarações ao “The Guardian”.
Antecipando-se à revelação mais detalhada dos resultados do projecto CALI, o diário britânico ouviu outros arqueólogos e investigadores com trabalhos ligados ao património histórico do Camboja e todos concordam em que estas descobertas são as mais significativas das últimas décadas no domínio da arqueologia.
“Estas descobertas feitas através da tecnologia laser significam o maior avanço dos últimos 50 ou mesmo cem anos do nosso conhecimento da civilização de Angkor”, disse Michael Coe, professor de Antropologia na Universidade de Yale, nos Estados Unidos, e especialista na história da civilização Khmer.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA