Pavilhão de Angola abre hoje


6 de Maio, 2015

Fotografia: Reuters

Uma cerimónia restrita marca hoje a abertura do pavilhão de Angola na 56ª edição 2015 da Bienal de Veneza inaugurada no sábado, no Palazzo Pisani. O acto inaugural é presidido pelo embaixador de Angola em Itália, Florêncio de Almeida.

O pavilhão de Angola na mais importante Bienal Internacional de Arte Contemporânea, patente até ao dia 22 de Novembro, é representado por obras de cinco artistas, António Ole, que também é o curador, Binelde Hyrcan, Délio Jasse, Francisco Vidal e Nelo Teixeira.
Desde 2013, o Ministério da Cultura de Angola assegura a representação do país na Bienal, que é caracterizada pela alta qualidade dos seus argumentos, tendo em conta as práticas desenvolvidas na cena de arte contemporânea.
Esta abordagem resultou num excelente “feedback” do público e críticos de arte, tanto nacionais como internacionais, e culminou com o a conquista do Prémio Leão de Ouro em 2013.
No espaço angolano é patente aos visitantes uma instalação central do artista António Ole a marcar o frente e verso da exposição, enquanto Francisco Vidal apresenta instalações constituídas com uma pele metálica de catanas, um símbolo da resistência angolana, como suporte de uma acção pictórica notável.
Délio Jasse mostra uma pesquisa em suporte fotográfico sobre a memória, sua sedimentação e as razões do esquecimento, enquanto Nelo Teixeira prossegue com um trabalho em que a madeira é a estrutura-base e a incorporação do “object trouvé” acentua narrativas paralelas.
A fechar, Binelde Hyrcan, um artista muito ecléctico nas suas opções estéticas, apresenta um vídeo e instalação da sua pesquisa mais recente.
Esta escolha permite a uma geração mais nova, mas com provas dadas e reconhecidas, seguindo o legado do artista António Ole, o acesso ao circuito da Bienal de Veneza, numa promoção do país, mas também das possibilidades de sedimentação da sua presença internacional para assegurar o sucesso de um projecto que cumpre a exigência desta apresentação e o perfil de contemporaneidade da próxima representação.
A 56ª Exposição Internacional de Arte da Bienal de Veneza é aberta neste sábado, um mês mais cedo do que as edições anteriores. Com a sua inauguração, a Bienal comemora o 120º aniversário deste a primeira exposição em 1895.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA