Cultura

Perfil de Agostinho Neto em registo documental

Jomo Fortunato |

No âmbito do Programa de Actividades do FestiNeto 2017, da celebração do nonagésimo quinto aniversário natalício e da preparação do centenário do Dr. António Agostinho Neto, 1922-2022, a Fundação Dr. António Agostinho Neto (FAAN) fez o lançamento do DVD “Cubanos falam de Agostinho Neto” e do livro “Exílios, testemunhos de exilados e desertores portugueses na Europa”, em acto realizado no dia 11, no Memorial Dr. António Agostinho Neto (MAAN).

Embaixadora de Cuba e Irene Neto (ao centro) acompanha Ludjero Escoval, presidente da Associação 25 de Abril, que fez a apresentação do livro
Fotografia: Henri Celso | Angop

Na ocasião, Irene Neto, PCA da Fundação Dr. António Agostinho Neto, agradeceu o contributo das personalidades cubanas que deram os seus depoimentos para a produção do DVD, falou das principais realizações da sua Fundação e dos eventos doFestiNeto 2017, no âmbito da Semana do Herói Nacional, iniciada no dia 4,  e que se prolonga até ao dia 4 de Outubro, com a realização do “Colóquio sobre a Dimensão Cultural de Agostinho Neto”, no MAAN.
Com o depoimento de vinte e dois portugueses, que durante o período de 1961 a 1974 desertaram das fileiras do exército colonial português, por não se reverem nas políticas do regime de então, o livro de memórias “Exílio - Testemunhos de Exilados e Desertores Portugueses na Europa, 1961-1974”, edição da Associação de Exilados Políticos Portugueses, foi apresentado por Ludjero Escoval, presidente da Associação 25 de Abril,em Luanda, que na ocasião lembrou o seguinte: “Estes testemunhos falam das peripécias passadas durante o período de exílio e as contribuições dos líderes africanos, sobretudo das colónias portuguesas, para o fim deste período da história da humanidade, que foi o colonialismo português. As intervenções do Dr. António Agostinho Neto e de outros líderes foram cruciais na mudança de comportamento destes portugueses que negaram a sua pátria passando a apoiar as causas independentistas dos africanos”. O livro, “Exílio, testemunhos de exilados e desertores portugueses na Europa, 1961-1974”, tem depoimentos de Ana Rosenheim, António Paiva, Carlos Estevão, Carlos Neves, Carlos Ribeiro, Fernando Cardeira, Fernando Cardoso, Hélder Mateus da Costa, Irene Pimentel, Joaquim Saraiva, Jorge Leitão, José Torres, Manuel Branco, Maria Irene Martins, Merita Andrade, Rui Bebiano, Rui Guimarães, Rui Mota,Teresa Couto, Teresa Perdigão, Tino Flores e Vasco Martins, “vinte e dois autores que falam de exílios, clandestinidades, nomes de guerra, disfarces, incomunicabilidades, pensamentos estanques, vidas duplas e triplas e  histórias de vida”.

Colóquio

A “Dimensão Cultural de Agostinho Neto” será o tema geral de um colóquio a ser realizado no dia 4 de Outubro de 2017, ainda no âmbito da Semana do Herói Nacional, com os oradores Norberto Costa, jornalista e ensaísta, que vai dissertar sobre “A Literatura de Agostinho Neto e a consciencialização Nacional”, moderado por Pombal Maria, poeta e membro da União dos Escritores Angolanos, e Hélder Simbad, professor universitário, que vai desenvolver o sub-tema “Análise psicocrítica na prosa de Agostinho Neto”, moderado por Domingas Monte, professora universitária.

Publicações

À margem dos seus eventos, a Fundação Dr. António Agostinho Neto possui um conjunto de importantes publicações das quais destacamos uma série em Banda Desenhada, fundamental para o conhecimento de pormenores, pouco conhecidos, da vida política de Agostinho Neto. Sobre a série em Banda Desenhada, Maria Eugénia Neto escreveu o seguinte:
“Há muito exigida a história ilustrada sobre António Agostinho Neto, a Fundação colocou mãos à obra para produzir um trabalho cuidado que proporcione o prazer da leitura e do desenho. Creio que a biografia de Agostinho Neto dada ao público em banda desenhada é uma forma criativa de dar a conhecer a história da Pátria e do seu Libertador. Os desenhos, leves e graciosos, enquadram bem o texto histórico, sem enfado, levando-nos a querer saber mais e mais sobre o nosso passado recente. A arte dos desenhos prima pelo rigor histórico e está baseada na pesquisa de documentos e fotografias verídicos.
A ficção é utilizada quando não se obteve retractos de certas personalidades e imagens de alguns eventos. A série em Banda Desenhada possui quatro volumes, divididos cronologicamente com os seguintes títulos: “Agostinho Neto, de cabeça levantada, 1922-1961”, “Todos para o interior, 1962-1971”, “A Vitória é Certa, 1972-1975” e “Resolver os problemas do povo, 1975-1979”.
Para além do DVD, “Cubanos falam de Agostinho Neto”, já foram editados os DVD, “Angolanos falam de Agostinho Neto”, “Moçambicanos falam de Agostinho Neto”, “Cabo-verdianos falam de Agostinho Neto”, “Argelinos falam de Agostinho Neto” e “Portugueses falam de Agostinho Neto”, com depoimentos de personalidades da política dos respectivos países.
O DVD “Cubanos falam de Agostinho Neto”, com testemunhos recolhidos em 2011, possui depoimentos de Jorge Risquet, do bureau político do comité central do Partido Comunista cubano, falecido em 2015, Pedro Leal, Óscar Oramas Oliva,  Rodolfo Puente Ferro, Manuel Agramonte, Nélia Dourado, Alfonso Péres Morales, César Augusto Kiluanji, Carlos Munõz, Dário Urra de la Torriente, Juan Filipe Baptista, Armando Saucedo, Rafael Morcén Limonta e Julián Alvarez.

Fundação

Proclamada no dia 14 de Setembro de 2007, no Palácio dos Congressos, em Luanda, em cerimónia assistida por Sua Excelência Engenheiro José Eduardo dos Santos, Presidente da República, por centenas de convidados e populares, a FAAN tem sede em Luanda, e tem como objectivo fundamental a promoção da pesquisa e divulgação da vida e da obra do Dr. António Agostinho Neto.
Entre os objectivos complementares, a FAAN desenvolve actividades para melhorar o “bem-estar” e a condição de vida dos angolanos, bem como a promoção da educação, da ciência, da tecnologia e da cultura, para incentivar a criação e a inovação, de todo tipo e sob todas as formas de investigação científica e tecnológica, o fomento de actividades que ajudem o desenvolvimento humano  e a protecção dos direitos do homem.

Honra a Agostinho Neto pela Associação de "caimaneros"

Na ocasião do lançamento do DVD “Cubanos falam de Agostinho Neto” e do livro “Exílios, Testemunhos de exilados e desertores portugueses na Europa” o Presidente da Associação de Caimaneros, Pedro Neto, fez a entrega do Diploma de Honra a Agostinho Neto à PCA da Fundação Dr. António Agostinho Neto, Irene Neto, tendo feito o seguinte agradecimento: “Gostaríamos, em primeiro lugar, de manifestar o nosso mais profundo agradecimento à Fundação Dr. António Agostinho Neto e especialmente àqueles que, em seu nome, se engajaram com esmero para nos proporcionar esta belíssima ocasião para este momento que, embora muito singelo, representa a nossa mais  fina convicção de que a pátria reconhece os seus  filhos que mais se empenham de diferentes maneiras. E hoje, neste momento, estamos aqui para um filho muito especial. Trata-se mesmo de um dos seus filhos mais ilustres: o Dr. António Agostinho Neto.
Não é possível não lembrar o modo como nós, angolanos, herdamos o país em 11 de Novembro de 1975, por altura da proclamação da nossa independência, quase completamente desprovido de quadros que pudessem iniciar um processo de construção da nova Nação. Também recordamos que foi a partir daí que, no quadro de uma visão estratégica e de futuro, o saudoso Presidente Agostinho Neto e o líder da Revolução Cubana, Comandante Fidel Castro Ruz, fizeram uma aposta muito forte para o início de um arrojado processo de formação de homens e mulheres que viriam a assegurar a construção do país novo”, realçou Pedro Neto.

Tempo

Multimédia