Poesia de Neto é um símbolo de esperança


20 de Setembro, 2015

O secretário da Brigada Jovem de Literatura (BJL) no Cunene, Mário Afonso, considerou a poesia de Agostinho Neto como um símbolo de esperança e visionária, porque reflecte a realidade do povo e os anseios da liberdade.

Mário Afonso fez essa afirmação em Ondjiva, capital do Cunene, tendo destacado que a poesia de Neto projecta um futuro próspero.
Ao falar na celebração do Dia do Herói Nacional, o escritor acrescentou que os poemas de Agostinho Neto despertam as mentes para a conquista de interesses comuns e inspira os povos de África e do mundo a lutarem para o alcance do desenvolvimento.
Em “Havemos de Voltar”, Neto profetizou o regresso às origens, tradições e aldeias, o que permitiu elucidar os angolanos de que era necessário lutar para estabelecer a vontade do povo e livremente manifestar as suas tradições.
António Agostinho Neto foi médico de formação, ee autor de “Renúncia Impossível”, “Sagrada Esperança” e “Amanhecer”, livros publicados por várias editoras, além da União dos Escritores Angolanos (UEA), e que foram traduzidos em diversas línguas, tais como russo, italiano, espanhol, alemão, espanhol, inglês, entre outros idiomas.
Membro fundador da União dos Escritores Angolanos, a sua obra tem merecido diversas distinções  a nível internacional.
A sua obra tem sido base de trabalhos de investigação em diversas universidades do mundo, quer para mestrado quer para doutoramento. Nasceu a 17 de Setembro de 1922, na localidade de Kaxicane, região de Icolo e Bengo.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA