Cultura

Preço do livro é demasiado alto

Mário Cohen | *

O Ministério da Cultura está a desenvolver um trabalho árduo para tornar os livros mais baratos e fomentar o hábito de leitura, defendeu, hoje, em Luanda, o secretário de Estado para as Indústrias Culturais, João Constantino.

Fotografia: Angop

Falando por ocasião do Dia Mundial do Livro e do Direito do Autor, que hoje se assinala, João Constantino avançou que este é um trabalho que está a ser feito, embora mereça cada vez mais atenção.

Segundo o secretário de Estado para as Indústrias Culturais, com o recente despacho do Presidente da República sobre a Política do Livro, é pretensão daquele departamento ministerial encontrar medidas e mecanismos para tornar um facto a redução dos preços dos livros.

“O livro hoje tem muitos concorrentes, assim sendo, existe a necessidade de criação de programas específicos de incentivo à leitura para fomentar o gosto pela literatura desde tenra idade”, disse o governante. Para que assim ocorra, disse, são necessários mais escritores e mais recursos para tornar os livros mais baratos.

Oferta de livros

Inserido no programa da efeméride, o Ministério da Cultura, através do Instituto Nacional das Indústrias Culturais e Criativas (INICC), ofereceu, hoje, em Luanda, às escolas nº 1211, conhecida por escola da Liga Africana, e Anangola, um lote de duzentos livros de 16 títulos de autores nacionais.

Os livros foram doados pelo secretário de Estado para as Indústrias Culturais, João Constantino, com a finalidade de apetrechar as bibliotecas dos dois estabelecimentos do ensino. O governante prometeu aos estudantes visitar em breve as bibliotecas com vista a se inteirar do proveito que estão a tirar do material de leitura doado.

Dos livros oferecidos constam, entre outros, “Os Animais de Duas Gibas”, de Maria Eugénia Neto, “Vamos Fazer Teatro”, de Dario de Melo, “A Celeste e a Dona Acácia”, de Rosalinda de Lima, “Pássaro na Galhofa”, de Lito Silva, e “O Pano”, de Rosalina de Carvalho. Foram, igualmente, doadas obras de Fragata de Morais, João Rosa Santos, Octávio Correia, Zulmira Bumba, Amélia da Lomba, António Quino e Akiz Neto.

 *Com Angop

Tempo

Multimédia