Prémio literário chega às escolas do país

Roque Silva |
28 de Agosto, 2014

Fotografia: Angop |

O prémio literário “Quem me dera ser onda” passa, este ano, a ter abrangência nacional, depois de confirmada, terça-feira, na sede da União dos Escritores Angolanos (UEA), em Luanda, a parceria do Ministério da Educação, o que permite a participação de estudantes dos 13 aos 17 anos de todas as escolas públicas e privadas do país.

Durante a apresentação do projecto, o director Nacional do Ensino Geral garantiu o envolvimento dos Governos provinciais e dos coordenadores provinciais, municipais, distritais e comunais da disciplina de Língua Portuguesa.
A ideia, realçou João Cristóvão Cafuquena, é facilitar que o regulamento chegue aos estudantes de todo o país, por formas a estimular a criatividade literária e o gosto pela leitura e escrita aos adolescentes.
Questionado sobre a efectivação da iniciativa, comparativamente ao da Merenda Escolar cujo sucesso não constituiu a realidade pretendida em todas as instituições de ensino, João Cristóvão Cafuquena referiu que o Ministério da Educação vai se guiar tendo em conta a experiência e o sucesso da quarta edição das Olimpíadas de Matemática da CPLP para alunos do ensino secundário.
O secretário-geral da UEA, entidade reguladora do concurso, afirmou que o acordo com o Ministério da Educação é uma mais-valia para os estudantes, porquanto “pode pressionar e incentivar a criação de bibliotecas nas escolas”.
Carmo Neto disse que a criação do prémio visa incentivar o gosto pela leitura e escrita no seio das crianças e adolescentes e contribuir para o aumento dos conhecimentos gerais.
Além de  acicatar a criatividade, afirmou o responsável, um dos objectivos do concurso é aumentar os conhecimentos gerais, extinguindo os erros de interpretação, as dificuldades de escrita e de leitura.
“Queremos ajudar os encarregados de educação e as instituições de ensino a colmatar a preguiça pré-existente e os seus defeitos por que são apontados os estudantes adolescentes”.
“Quem me dera ser onda” é um prémio literário da UEA, no domínio da prosa e da ficção, destinado a estudantes dos 13 aos 17 anos. Os temas das composições literárias devem ser de livre escolha dos candidatos e a data limite de entrega e recepção nas escolas decorre até ao dia 30 de Outubro.
Segundo o regulamento, os textos não podem ultrapassar oito páginas de formato A4. As escolas vão apoiar as candidaturas dos seus estudantes concorrentes, no que concerne a correcção ortográfica, sem no entanto interferirem na criação da história. Os plágios dão anulação da candidatura.  O autor do texto vencedor recebe um prémio monetário equivalente aos cinco mil dólares e são editados mil exemplares do produto em livro, pela Texto Editora. O livro é distribuído em 13 províncias de Angola e nos Países de Língua Oficial Portuguesa onde a editora tem representações. O segundo classificado recebe o equivalente a três mil e o terceiro a dois mil.
Alice da Conceição, estudante do colégio Rivior, do distrito do Kilamba Kiaxi, venceu o prémio no ano passado, com o livro “Pati, a Menina de Rua”, numa edição em que participaram 17 estudantes de escolas de Luanda e do Bengo.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA