Cultura

Prémios incentivam a publicação de livros

Mário Cohen

Os concursos literários angolanos incentivam a criação literária e promovem o surgimento de autores e a publicação de obras inéditas no mercado nacional, afirmou quinta-feira, em Luanda, o secretário de Estado da Cultura para as Indústrias Cultural e Criativa.

Secretário de Estado da Cultura (à esquerda) entregou o Diploma de Mérito ao vencedor
Fotografia: Dombele Bernardo | Edições Novembro

João Constantino, que falava na cerimónia de outorga do prémio a Oliver Quiteculo, vencedor do Prémio Literário António Jacinto, edição 2018, desejou ao galardoado êxitos na carreira. “Espero que o vencedor tenha sucesso na carreira que tem pela frente. Acredito que o prémio vai ser uma força motivadora para apostar a sério na literatura”, disse o secretário de Estado da Cultura.
O administrador não executivo do Banco de Poupança e Crédito (BPC), Júlio Correia, assegurou que a instituição bancária vai continuar a apoiar o prémio literário, acrescentando que o patrocínio ao concurso se enquadra nas acções de carácter social e cultural da instituição bancária.
Oliver Quiteculo, autor do livro “Mahamba”, vencedor do Prémio Literário António Jacinto, edição 2018, recebeu das mãos do administrador não executivo do BPC, Júlio Correia, um cheque no valor de dois milhões de kwanzas e um Diploma de Mérito, do secretário de Estado da Cultura.
Visivelmente emocionado, Oliver Quiteculo comprometeu-se a trabalhar para publicar outros livros no mercado nacional e crescer mais, vi-sando contribuir para a internacionalização da literatura angolana. O autor  disse que já trabalha num segundo li-vro, um romance com o título “Dicionário Amoroso de Uma Ditadura”.
“Mahamba”, editado pelo Instituto Nacional das Indústrias Cultural  e Criativa (INIC) do Ministério da Cultura, é constituído por nove contos, nomeadamente “Cabanda, o Aprendiz”, “Uanga”, “Mu-lowa”, “Muloji”,“O Quarto da Avó”, “Bebeca”, “Lemba”, “Menino-Homem” e o que dá título ao livro, que teve uma tiragem inicial de 1.000 exemplares.
A cerimónia de venda e sessão de autógrafos de “Mahamba” decorreu no Museu de História Natural e foi antecedida  de momentos culturais com a actuação de Tonas Marcelo (gospel), Tenor Waldemar Tavares, Júlio Gil, Már-
cio Batalha e Nell Jazz, bem como declamação de poesia, pelo poeta Universo Ma-vambo, e exibição de dança contemporânea pela bailarina Aneth Silva.
 Oliver Quiteculo é natural de Luanda e cresceu mergulhado em livros e livrarias por imposição paterna. Desde muito cedo, começou a ter gosto pelas artes, principalmente a de escrever. Começou a dar os primeiros passos  no mundo da literatura com uma escrita experimental. É membro co-fundador da revista Palavra & Arte.
O Prémio Literário António Jacinto tem o patrocínio do BPC, numa realização do Instituto Nacional das Indústrias Cultural e Criativa (INIC), realizada anualmente em homenagem ao poeta homónimo, uma das grandes figuras da literatura angolana. O concurso, desde a sua existência, já atribuiu 17 prémios, a vários jovens autores.

Tempo

Multimédia