Cultura

Projecto integrado na Unesco

O projecto integrado de desenvolvimento de Mbanza Kongo - Património Mundial, que demonstra o compromisso do Executivo angolano em contribuir para a internacionalização do sítio, foi apresentado na quinta-feira, pela ministra da Cultura, Carolina Cerqueira, na Unesco, em Paris.

Centro Histórico de Mbanza Kongo vai ganhar uma novo imagem visando a sua valorização
Fotografia: Garcia Mayatoko | Edições Novembro | Zaire


Durante a apresentação do projecto, Carolina Cerqueira deu a conhecer as iniciativas de diplomacia cultural que a levaram a visitar os três países da região, nomeadamente a RDC, Congo Brazzaville e o Gabão, assim como as perspectivas a médio e longo prazo de cooperação com os países vizinhos para a internacionalização do sítio.
A cooperação, segundo a ministra, passa pela realização de iniciativas conjuntas do ponto de vista cultural, como a realização do Festicongo, festival de indústrias criativas e culturais, melhoria e ampliação do Museu dos Reis do Kongo e do sítio, com a construção de um centro de investigação e a inclusão de uma cadeira na universidade sobre o Reino do Kongo.
Carolina Cerqueira sublinhou que Mbanza Kongo pode, no futuro, contribuir para o desenvolvimento sustentável da região, promoção de emprego para a população local, em particular para a juventude, assim como impulsionar o progresso da região, por meio de  uma crescente atracção turística e académica, para investigação e conhecimento sobre a história de um dos mais importantes e antigos reinos da humanidade. 
O director do Sub-Comité Africano da Unesco para o Património Mundial, Edmund Mukola, reconheceu, com satisfação, os esforços desenvolvidos por Angola para lograr um património mundial e reiterou a disponibilidade de o Fundo Africano apoiar o desenvolvimento de actividades que possam valorizar aquele importante sítio de valor cultural extraordinário. 
O responsável da Unesco manifestou a sua satisfação pela iniciativa dos ministérios da Cultura  e do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação em estarem empenhados em impulsionar  a criação  de uma cadeira sobre o Reino do Kongo a nível da Universidade Agostinho Neto e reiterou o apoio da Unesco para garantir o envolvimento de investigadores, académicos e universidades africanas e de outros continentes. 
Edmund Mukola encorajou Angola  a apresentar novas candidaturas a Património Mundial de outros sítios de valor natural e cultural extraordinário que poderão enriquecer o Património Mundial da Unesco e aumentar a representatividade africana. 
Participaram no encontro o embaixador de Angola junto da Unesco, Sita José, e quadros do Ministério da Cultura.
A ministra da Cultura participou, na sede da Unesco, em Paris, nos trabalhos da 21.ª Assembleia Geral  dos Estados Partes da Convenção do Património Mundial, que  assinalou 40 anos.

Visita de estudo
Os alunos do curso Pré-Universitário do Liceu Francês Alioune Blondin Beye (Escola Francesa de Luanda) têm programada uma visita de estudo entre 21 e 24 deste mês à cidade de Mbanza Kongo, capital da província do Zaire.
O objectivo didáctico é aprofundar os conhecimentos sobre o património histórico e cultural da cidade de Mbanza Kongo, em cumprimento do programa de ensino no liceu nas disciplinas de história, geografia, português, biologia e história da arte.
Durante a sua estadia em Mbanza Kongo, os alunos do Liceu Francês de Luanda vão participar nas conferências sobre a história do antigo Reino do Kongo e no encontro sincrético entre as civilizações kongo e católica, bem como na expansão das plantas de cultivo.
O sítio patrimonial de Mbanza Kongo obteve o reconhecimento internacional quando foi declarado, no passado mês de Julho, Património Mundial da Humanidade.
O Centro Histórico da Cidade de Mbanza Kongo ganhou o estatuto de Património Mundial da Humanidades a 8 de Julho, durante a 41.ª sessão do Comité do Património Mundial, que decorreu na cidade de Cracóvia, na Polónia.

  Candidatura do projecto Okavambo Zambeze

A proposta da inclusão do nome de Angola na inscrição do projecto Okavambo Zambeze a Património Mundial foi apresentada na quinta-feira, na sede da Unesco, em Paris, pela ministra Carolina Cerqueira.
A apresentação da proposta ocorreu num encontro com o director do Sub-Comité Africano para o Património Mundial, Edmund Mukola.
Segundo a ministra, esta nova  visão do projecto transfronteiriço que engaja actualmente a Namíbia e o Botswana, países vizinhos, vai impulsionar a internacionalização da cultura angolana, por um lado, e ao mesmo tempo trazer vantagens acrescidas na promoção do turismo na região, das indústrias culturais e do desenvolvimento sustentável das comunidades dos três países. 
Por outro lado, foi feita  a recomendação  da criação, a nível nacional, de um Comité Multisectorial de Alto nível para o Património Mundial, para garantir o engajamento político e institucional, da sociedade civil, geracional, de académicos e autoridades tradicionais na defesa, preservação, conservação e promoção do património material e natural. 
O estado de preparação das candidaturas dos projectos que Angola apresentou a Património Mundial, nomeadamente Tchitundo Hulu, Kuito Kuanavale  e o Corredor  do Cuanza foram igualmente analisados, tendo sido garantida a assistência técnica e financeira da Unesco para a boa prossecução dos mesmos, devido ao grande valor cultural dos referidos bens e a sua importância no contexto mundial.
Angola foi convidada, na ocasião, a participar no próximo ano, no Benin, numa conferência internacional sobre  a rota dos escravos, que vai garantir subsídios importantes para a preparação da candidatura do Corredor do Cuanza a Património da Humanidade,  apresentada na sede da Unesco, em Paris, desde o início deste ano.

Tempo

Multimédia