Cultura

Projecto protege obra do artista

Amilda Tibéria |

Promover as actividades artísticas e gerir a carreira de Filipe Mukenga, no país e no estrangeiro, foi o objectivo do contrato assinado, quinta-feira, à noite, entre o próprio músico e o Grupo Irmãos Gráficas (GIG), no Memorial António Agostinho Neto, em Luanda.

Nova geração passa a manter um contacto mais próximo com a obra de Filipe Mukenga
Fotografia: João Gomes|Edições Novembro

O projecto cultural denominado “Ouvir Filipe Mukenga” visa essencialmente fazer conhecer as obras discográficas do autor às gerações vindouras pelo contributo que tem dado ao longo dos anos na preservação e divulgação da música angolana.
O músico, que aproveitou o momento, para interpretar alguns dos seus sucessos, disse à imprensa, que, depois da assinatura do contrato, a parte administrativa da sua carreira passa a ser gerida por um grupo “grandioso de jovens, que gosta das suas obras e aprecia as suas canções.”
Filipe Mukenga defendeu ser importante continuar a trabalhar para o desenvolvimento e afirmação de alguns estilos musicais nacionais, não apenas no país, como além-fronteiras. “Projectos como esse ajudam de alguma forma a manter o músico no activo e poder dar continuidade à sua carreira com alguma visibilidade.”
Para que os músicos angolanos e as suas obras se tornem melhor aproveitados e divulgados, deve existir mais iniciativas do géneros, de maneira a dar possibilidade a outros artistas de apresentarem com mais regularidade os seus feitos e poderem estar mais próximo dos seus admiradores.
A preservação dos ritmos tradicionais passa, igualmente, por incutir na juventude a necessidade de continuar-se a escutar mais as produções nacionais. “Quero continuar a cantar e ser uma referência para os jovens, quer por via da música, quer pelo diálogo, partilhando momentos inesquecíveis que expressam sentimentos, emoções e  paixões  através da combinação de sonhos”, destacou Mukenga.
Salientou que, com o projecto, vai poder pisar e explorar outros palcos, onde a sua música possa ser tocada e valorizada. “Espero que o projecto tenha êxitos e possa servir para deixar um legado positivo.”
O director executivo do Grupo Irmãos Gráficas, Guilherme da Paixão, realçou que a iniciativa, por as canções de Filipe Mukenga serem inspiradoras e pedagógicas, ajuda os jovens a sonharem com um futuro promissor, tanto no ramo artístico como pessoal. Acredita que a imagem do artista ainda precisa de ser melhor difundida e trabalhada entre os angolanos e no estrangeiro, razão pela qual vão apostar num marketing que possa da maior visibilidade às suas actividades. “A missão da nossa geração da década dos anos 80  é ajudar a promover as boas acções e acontecimentos que se realizam em todo o país em vários sectores da vida cultural, essencialmente através da música.”
 O Grupo Irmãos Gráficas é formado por jovens da década de 80, interessados pela música e pela sua sonoridade e daí surge a dinâmica do desafio de juntarem-se a um músico, que tem uma marca no mosaico cultural angolano e mundial.

Tempo

Multimédia