Cultura

Projecto Vela Angola promove sessões de teatro itinerantes

Roque Silva

O festival de teatro “FestVela Angola” promove, desde quarta-feira, apresentação de espectáculos em vários palcos, contrariamente às edições anteriores em que eram apenas exibidos na Paróquia de Santo António, no distrito urbano do Hoji ya Henda, no Cazenga.

Actriz Judith de Lemos no espectáculo “Helena”
Fotografia: DR

O director do festival disse, na abertura da sexta edição, a decorrer até o próximo dia 25, que as peças vão ser apresentadas no Auditório Nzinga Mbande, Espaço Aplausos e Liga Africana. Deazevedo Buchecha disse que, além da exibição de peças, o festival prevê a realização de cursos de formação e troca de experiências entre os fazedores das artes.
Segundo o programa, as sessões são garantidas pelo Núcleo Monumental Teatro, de Benguela, e o grupo Ndoki, de Cabinda. Deazevedo Bu-checha deu a conhecer que as sessões de teatro itinerantes  vão permitir uma maior aproximação entre os profissionais da dramaturgia, os apreciadores dos seus trabalhos e público do festival.
Explicou que a apresentação de espectáculos em vários palcos permite descentralizar o projecto, agregar um maior número de espectadores, “uma vez que estava muito confinado à população do Cazenga.”
O festival, uma produção do Projecto Vela Angola, reúne, este ano, 25 espectáculos, de 27 grupos, em representação de Luanda, Uíge, Bengo, Bié e Cuando Cubango.
Participam os grupos Julu, Xabada-Uiza, Conjutura d’Artes, Nelca Teatro, Ndokweno Artes, Kamba dya Muxima, Twana Twangola, Twabixila, Amazonas Teatro, Nova Cena, Horizonte Esperança, Monte Sinai, Etu ni Nzambi, Dois 100, Josevin Teatral, Olombangui, Projecto Ana Ndange e o projecto MZ. O festival, que não tem carácter competitivo, vai distinguir e homenagear dois grupos consagrados.  
A presente edição foi aber-ta pelo colectivo Projecto Vela, que apresentou a peça “He-lena”, seguido do Enigma Teatro, que exibiu “A Gran-de Questão”.

Tempo

Multimédia