Cultura

Próximo disco dos Tubarões na forja

O grupo musical cabo-verdiano Os Tubarões, que regressou aos palcos 20 anos depois, em 2015, tem um novo trabalho discográfico na forja a ser editado ainda este ano, com temas inéditos que incluem os géneros funaná, mornas e coladeiras.

Grupo já tem espectáculos internacionais agendados mas espera realizar outros a convite de produtores que participaram na iniciativa
Fotografia: DR |

A informação foi prestada à imprensa na quarta-feira pelo vocalista Albertino Évora, após a actuação no terceiro e penúltimo dia da 5.ª edição do Atlantic Music Expo (AME-CV), na cidade da Praia, em Cabo Verde.
Sem avançar uma data para o lançamento do disco, Albertino Évora prevê que ocorra este ano. O grupo já tem espectáculos internacionais agendados, esperando realizar outros, tendo em conta que estiveram presentes vários produtores e directores artísticos no concerto.
Os Tubarões marcaram a música de Cabo Verde entre 1975 e 1994. Após a separação do grupo, o vocalista Ildo Lobo fez carreira a solo, tendo gravado os discos “Nôs Morna” (1996), “Intelectual” (2001) e “Incondicional” (2004), editado depois da sua morte.
O conjunto gravou nove discos de mornas, coladeiras e funanás durante os 18 anos de carreira, designadamente “Pepe Lopi” (1976), “Tchon di Morgado” (1976), “Djonsinho Cabral” (1979), “Tabanca” (1980), “Tema para dois” (1982), “Os Tubarões” (1990), “Os Tubarões ao Vivo” (1993) e “Porton d’nôs ilha (1994)”.
Após o regresso em 2015, o conjunto musical já actuou em Cabo Verde, Europa e China.

Produtores musicais />
Os produtores musicais e directores artísticos de festivais internacionais que participaram na 5.ª edição do Atlantic Music Expo (AME-CV) destacaram a qualidade e o talento dos artistas cabo-verdianos.
Alguns preferiram não indicar os nomes dos artistas que pretendem contratar, limitando-se a  elogiar a qualidade da música cabo-verdiana e dos seus artistas. É o caso do director artístico e produtor do Sunfest, no Canadá, Alfredo Caxaj, que pretende levar para este festival artistas talentosos não necessariamente conhecidos do grande público.
Alfredo Caxaj, que participou em todas as edições do AME-CV e que também é um dos jurados do certame, destacou a riqueza da cultura cabo-verdiana. Lura, Sara Tavares, Tcheka e Elida Almeida são alguns dos nomes que conheceu no certame e que contratou para o Sunfest.
Por seu turno, a produtora brasileira Geovana Jardim, que organiza o festival Vozes de Mestres - Encontro Internacional das Culturas, revelou que pretende levar a música cabo-verdiana a esse evento, destacando as semelhanças com os ritmos tradicionais dos quilombos do Brasil.
Fantcha e Wilson Silva são outros cabo-verdianos que mereceram o elogio da produtora musical, que conta 20 anos de carreira. “Cabo Verde é um país que respira a música, que faz a gente sentir isso, aonde a gente passa”, enfatizou.

SAPO Angola

Tempo

Multimédia