Cultura

Reafirmado apoio ao teatro em Luanda

Roque Silva

O Governo Provincial de Luanda (GPL) aguarda propostas da Associação Provincial de Teatro em matérias de educação, prevenção e sensibilização da sociedade, por via das artes cénicas para prestar o apoio institucional.

Artistas de teatro na capital receberam da vice-governadora de Luanda a garantia de apoio institucional para a massificação das artes dramáticas
Fotografia: Dombele Bernardo | Edições Novembro

A informação foi avançada na quinta-feira, pela vice-governadora para a Área Política e Social, Jovelina Imperial, durante a apresentação e tomada de posse dos representantes da Associação Angola de Teatro (AAT) nos municípios e distritos de Luanda.
A governante reafirmou uma vez mais o compromisso do GPL, em benefício do colectivo de teatro na capital, por forma a contribuir para a criação de um ambiente social favorável no qual todos os seus intervenientes se sintam integrados.
A vice-governadora para a Área Política e Social prometeu trabalhar para envolver as autoridades locais para viabilizar projectos que permitam o surgimento de mais espaços para a realização de espectáculos de teatro nos municípios onde forem necessários.
Jovelina Imperial garantiu que o seu pelouro promete estimular o empresariado por forma a contribuir para que as mensagens dos colectivos de teatro cheguem e consigam despertar a sociedade luandense e estimular atitudes éticas e morais.
“O período de eleições é delicado e o teatro assume um papel importante na educação cívica das comunidades, pelo que o seu contributo, como agentes transmissores de mensagens positivas, devem ser acautelados.”
O momento particular de afirmação do teatro em Luanda, devido ao progresso significativo no campo da organização, estruturação da classe e aumento do número de fazedores, fruto do empenho, dedicação e engenho destes, é para a governante um dos  motivos que obrigam a governação de Luanda a reflectir sobre o futuro da arte de representar em Angola e particularmente na capital, “uma vez que os artistas são, na sua maioria, amadores e trabalham arduamente para que os seus grupos apresentem os trabalhos regulares com qualidade.”
Jovelina Imperial defendeu a necessidade de incrementar-se estudos nas instituições de ensino sobre o significado histórico do teatro, estimular e motivar a formação permanente e contínua dos fazedores de teatro, por forma a elevar a qualidade dos seus trabalhos, investigar cada vez mais, estudar para que o seu trabalho seja comparado aos melhores, para promover a valorização da arte. “Tudo isso poderá ajudar o actor, encenador, director e técnico estudante a compreender a importância da actividade teatral, através da criatividade, ampliar a capacidade de estudo e levá-lo a reflectir sobre a produção através da arte do teatro.”
De acordo com Jovelina Imperial, o teatro sempre esteve presente em todos os momentos na vida do povo angolano, dando sustentação à formação de várias gerações.
 A vice-governadora, Jovelina Imperial, orientou a AAT a cumprir com os pressupostos de liderança estabelecidos internacionalmente para os cargos de decisão de manter 40% de mulheres na liderança. A AAT pretende constituir os plenários das restantes províncias nos próximos meses e no Cuanza Sul, onde decorre o cadastramento de grupos.
São representantes da Associação Angola de Teatro em Luanda: Francisco Caculo, representante da província de Luanda e do distrito da Samba, Eduardo Benvindo (vice e coordenador de Viana), Matondo Celestino (secretário e representante do Kilamba Kiaxi), Ângelo Prazeres (Neves Bendinha), Sacres da Silva (Sambizanga), Gerson Vangue (Maianga), Silvio Gravata (Rangel), Simão Costa (Talatona), Isaías Cristóvão (Icolo e Bengo), Luzia Panguila e Paulino João (Cazenga).
Estiveram presentes na cerimónia o secretário de Estado da Cultura, João Constantino, resposnáveis do Mincult e fazedores de teatro.

Tempo

Multimédia