Cultura

Reconhecido potencial de projecto europeu

A ministra da Cultura, Carolina Cerqueira, considerou o projecto da União Europeia (UE) sobre promoção de emprego em actividades geradoras de rendimento no sector cultural como um impulso para as indústrias criativas.

Fotografia: Jaimagens

De acordo com a Angop, a ministra fez essa afirmação durante a audiência concedida ao embaixador da UE em Angola, Tomás Ulicny, que teve como objectivo informar do início da implementação do referido programa, que tem como organizador responsável o Instituto Cultural Português.
O projecto é direccionado aos países africanos de língua oficial portuguesa (Palop) e Timor Leste e conta com uma verba de 19.200.000 euros (dezanove milhões e duzentos mil kwanzas) para um período de 5, permitindo a geração de postos de trabalho para os jovens, particularmente artistas, artesãos, produtores de espectáculos, fazedores de artes e escritores.
Os seus eixos principais são a capacitação, a promoção de um mercado de bens culturais, incentivando a produção e distribuição dos mes-
mos e a promoção da literatura infanto-juvenil.
O projecto em causa vai reforçar a relação de parceria entre os Palop e a UE, contribuindo para a educação e desenvolvimento de competências.
Desenvolver a indústria criativa familiar, como forma de se garantir o sustento e o auto-emprego nas comunidades consta também entre as prioridades do Executivo, sendo um dos aspectos da parceria.
A ministra destacou ain-da a importância de se dinamizar o associativismo cultural para se garantir maior envolvência das comunidades nas actividades de promoção e preservação da cultura.
Relativamente à cooperação entre Angola e a UE no domínio cultural, Carolina Cerqueira destacou a necessidade de uma aposta na formação de especialistas das áreas de restauro e preservação patrimonial.
Por seu turno, o diplomata europeu disse contar com a intervenção directa do Ministério da Cultura para a concretização do projecto em Angola, mobilizando os agentes e promotores culturais para a sua participação activa no programa.
Por se tratar de um projecto regional, tendo em conta que envolve todos os países africanos de língua portuguesa, o diplomata espera de Angola ideias e iniciativas que ajudem para a sua concretização.
Manifestou disponibilidade da UE para apoiar acções ligadas ao sector cultural, no âmbito da cooperação bilateral existente entre Angola e a UE, bem como as associações do sector por meio dos programas, cujas candidaturas estão abertas no próximo mês.

Tempo

Multimédia