Cultura

Reduzidas actividades na Expo Mundial

Manuel Albano |

A redução das actividades culturais pela a Comissão Interministerial de Angola para a Expo Astana 2017, que decorre entre 10 de Junho e 10 de Setembro, na capital da República do Cazaquistão, deve-se ao actual momento financeiro crítico que o país vive actualmente.

Comissão Interministerial de Angola para a Expo Astana anunciou a redução de integrantes devido aos elevados custos de acomodação
Fotografia: DR

Essa justificação foi manifestada pela comissária do Pavilhão de Angola, a engenheira Albina Assis, na sessão de apresentação do pavilhão de Angola, que decorreu em Luanda.
O tema de Angola, “Energia para Todos”, foi escolhido com base no tema geral da Expo, “Energia do Futuro”, em que espera-se um diálogo global sobre energia.
O objectivo do tema, de acordo com Albina Assis, é criar uma maior interconexão entre visitantes, participantes e sociedade em geral, apelando para a responsabilidade individual e colectiva na busca de estratégias para o desenvolvimento energético sustentável, capaz de contribuir para a paz, progresso e prosperidade das gerações vindouras.
Embora o país tenhda dado provas das suas potencialidades, em edições anteriores, no domínio das artes, exprimindo as mais variadas manifestações culturais e artísticas, Albina Assis disse que a situação financeira obriga a uma gestão racional e criativa dos recurso disponíveis: “Na área do bazar, um dos espaços do stand de Angola, vai estar representado com duas bailarinas e percussionistas, incluindo a mostra de peças de artesanato”.
Albina Assis apelou ao “espírito expo”, envolvendo a todos, para mostrar aos visitantes a diversidade cultural dos angolanos: “O país sempre teve uma representação “forte e activa no domínio das manifestações culturais, procurando transmitir uma nova imagem do país, através das actividades culturais”.
Noutras edições, participaram os cantores Gabriel Tchiema, Ndaka yo Wini, Gerson Castro, Ary, Yola Semedo e Araújo, Margareth do Rosário, Lourdes Van-Dúnem, Matias Damásio, trio Muxima Uami, o grupo de dança Kina Kumuxi e o músico camaronês Blick Bassy, como convidado especial. Nanuto, Lina Alexandre, Esmeralda Quissanga, Bruna Tatiana, Gisela Silva, grupos Kilandukilo e Semba Muxima, também participaram em edições anteriores, para promoveção da imagem do país.
No domínio da moda, participaram em outras edições para engradecer a delegação de Angola, vários estilistas, com destaque para Nadir Tati, que coordena os desfiles de Marizanguela Almeida e Suzana Traça. Albina Assis disse que as exposições de artes plásticas foram sempre um dos fortes atractivos dos pavilhões de Angola. Entre os artistas, destaque para as obras de Teresa Cohen, Guilherme Mampuya, Marcela Costa, Arlete Marques, Armanda Alves, Erika Jamece, Guizef, Álvaro Macieira, Maiembe, Maimona Vua, Tchivinda, Tozé, Van e Eda Machado. Outra atracção dos espaços são as sessões de degustação de pratos típicos feitos por gastrónomos nacionais.

Tempo

Multimédia