Revelado filme inédito sobre Amélia Earhart


21 de Junho, 2015

Fotografia: AFP|

Um filme a preto e branco contendo as últimas imagens da pioneira norte-americana da aviação, Amélia Earhart, foi revelado publicamente este mês pela Paragon Agency, nos Estados Unidos.

Intitulado “A última sessão de fotos de Amélia Earhart”, o filme contém as últimas imagens da aviadora aventureira que desapareceu em 1937 no Pacífico.
Lançado em simultâneo com um livro, a película mostra a aviadora no aeroporto de Burbank, na Califórnia, numa sessão fotográfica junto do seu “Lockheed 10 Electra”, com o qual entre Março e Julho de 1937 tentou fazer uma volta ao mundo, para acrescentar aos recordes do seu currículo, entre os quais o primeiro voo entre a América e o Hawai sem escala, ou a primeira travessia do Atlântico por uma mulher-aviadora. O filme, uma curta-metragem com pouco mais de três minutos de duração, mostra Amélia Earhart com a descontracção que a caracterizava, sorridente e confiante, posando junto do seu avião. Na sucessão de imagens, vêem-se também o seu marido, George Putman, o fotógrafo pessoal, Albert Bresnik, e o co-piloto Fred Noonan.
Segundo a agência “Associated Press” (AP), as imagens em película de 16mm foram captadas nas vésperas da aventura de Earhart, feitas por John Bresnik (irmão de Albert), que as guardou em sua casa até à sua morte em 1992. Depois de duas décadas, as imagens foram descobertas pelo sobrinho, também chamado John Bresnik. “Eu não fazia ideia do que estava no filme até à morte do meu pai, quando o levei para casa e fui ver. Estava dentro de uma simples caixa, numa estante do seu escritório, que por fora dizia 'Amélia Earhart, aeroporto de Burbank, 1937'”, disse John Bresnik à AP, revelando que a decisão de se divulgar o conteúdo foi motivada, segundo a AFP, pela intervenção do historiador Douglas Westfall, da Agência Paragon, que o convenceu a fazer uma cópia digital do filme. “É um documento único, que mostra uma Earhart charmosa e distante das câmaras”, disse Westfall à AFP, justificando a sua insistência para que Bresnik o mostrasse.
O filme fica assim como mais um documento histórico a acrescentar à memória da vida aventurosa da aviadora norte-americana, cujo desaparecimento permanece um mistério por resolver.
Tida como uma mulher corajosa que se afirmou na América machista da década de 1930, Amélia Earhart iniciou em Março de 1937 a tentativa de fazer a volta ao mundo, mas seria abortada no Hawai devido a problemas no seu Lockheed.
No início de Julho, Earhart e Fred Noonan insistem no projecto. Mas a viagem foi interrompida no dia 2 desse mês, quando os dois aviadores não estabeleceram o contacto previsto com um navio da guarda costeira e não conseguiram fazer a escala planeada na pequena ilha de Howland, em pleno Pacífico. Apesar de aturadas tentativas da marinha e da aviação norte-americana durante meses sucessivos, nunca foram encontrados quaisquer vestígios dos aviadores ou do Lockheed, e a morte de ambos foi oficializada em Janeiro de 1939.
 Amélia Earhart tinha-se transformado num mito, e passou a ser tema e personagem de livros, músicas e filmes, dos quais “Amélia” (2009), realizado pela indiana Mira Nair, e teve Hilary Swank no papel da aviadora.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA