Cultura

Ritmo cokwe e kizomba animam Duetos N’Avenida

Os ritmos do folclore cokwe, na voz de Gabriel Tchiema, e os sons estilizados da kizomba de Euclides da Lomba fundem-se na próxima edição do projecto Duetos N’Avenida, uma iniciativa da Zona Jovem, que se realiza na próxima sexta-feira, no palco da Casa 70, em Luanda.
Espera-se casa cheia, dado o talento e a carreira de dois intérpretes e “mestres de cerimónia”. Os artistas estão a preparar um concerto acústico cheio de novidades.

Autor de “Azwlula” vai dividir o palco com Euclides da Lomba na próxima edição do projecto
Fotografia: Paulino Damião| Edições Novembro

Figueira Ginga, mentor do projecto e produtor musical da Zona Jovem, disse ao Jornal de Angola que pretende realizar concertos mais surpreendentes, para valorizar a música angolana, com intérpretes de vários estilos num espectáculo único, cheio de personalidade.
“Temos pela primeira vez dois músicos com estilos bem diferentes. Encontrar a sincronia perfeita será o diferencial desta apresentação”, revelou o produtor. “O contacto com Tchiema e Lomba foi fácil. Eles rapidamente acederam ao nosso convite e estão bastante empolgados e expectantes”, completou. A ansiedade já tomou conta de Gabriel Tchiema, que promete novidades. Mesmo a viver na província da Lunda-Sul, está conectado com o colega e amigo Euclides da Lomba. “Estamos a definir o repertório e os ensaios presenciais vão ocorrer nas proximidades dos concertos”, revelou o músico, que vai interpretar os seus sucessos cantados em cokwe, como as canções do inesquecível álbum “Azwlula”.
Euclides da Lomba, que também se mostra feliz com a oportunidade de cantar ao lado de Gabriel Tchiema, revelou que se está a preparar com afinco para cantar em língua nacional junto com o amigo. “Como músico, tratarei de dar o meu melhor. Esse projecto marca uma grande diferença em conceito e permitirá demonstrar a diversidade cultural da música angolana”, disse. O músico promete embalar muitos casais com a kizomba moldada em arranjos modernos.

Tradição e juventude


Gabriel Tchiema e Euclides da Lomba juntos, representam uma grande oportunidade para que os jovens percebam a importância de manter viva e acesa a chama da música tradicional angolana. Gabriel Tchiema, em especial, tem-se empenhado na internacionalização da música angolana e pede, inclusive, intervenção estatal nesta área.
Sobre os jovens, espera que passem a dar atenção às suas origens culturais. “Parece que os jovens estão mais preocupados, como se diz na gíria, com aquilo que ‘bate’. A nova geração não se preocupa tanto connosco. Será que é falta mesmo de legado? Creio que não”, enfatizou.
Por sua vez, Euclides Lomba aponta para novos talentos que preservam e perpetuam a tradição angolana. “Tenho visto jovens fantásticos e a referência à nossa cultura está cheia de contribuições e valores fundamentais como o Tchiema, que é um dos maiores intérpretes masculinos de Angola”, destacou.
O produtor Figueira Ginga, também acredita que os jovens devem apreciar e valorizar a música de Gabriel Tchiema, pois resgata o cokwe com mestria. “Tchiema faz um género musical que deve merecer a atenção dos jovens, pois representa o melhor da música moderna angolana, mantendo a sua raiz”, destacou.

Tempo

Multimédia