Robertinho prepara segundo disco

Manuel Albano
3 de Maio, 2015

Fotografia: Eduardo Pedro

Robertinho anunciou, ontem, em Luanda, que está em estúdio a preparar o seu novo disco para ser apresentado ainda este ano, depois de duas décadas do primeiro.

Com mais 30 anos de carreira, o músico disse ao Jornal de Angola, que o disco tem 12 faixas cantadas em quimbundo e português. O projecto musical, ainda sem título, tem cinco temas antigos e sete inéditas.
O músico fez uma nova roupagem dos temas antigos como “Joana”, “Ka kinhentu”, “Kiowa”, “Desespero” e “Kalamaxinde” canções que fizeram sucessos no primeiro disco de Robertinho intitulado “Joana” lançado em 1992.
O disco está a ser produzido na Xicote Produções, em Luanda: “Os meu admiradores pediram-me muito para que desse um novo tratamento nos temas que mais sucessos fizerem e colocasse neste disco, como uma forma de manter viva está canções”, disse Robertinho.
O disco vai ter a participação do músico Edy Tussa, jovem da nova geração que também tem sabido interpretar e rebuscar canções antigas, dando um tratamento especial, de acordo com Robertinho. Felicitou as novas gerações de artistas, pelo contributo que têm dado na interpretação de temas antigos, dando-lhes uma nova roupagem. Desta forma garante que está a manter viva a memória de músicos da década de 70 e 80, que por motivos financeiros não conseguem colocar um disco no mercado e explorar o seu talento artístico. Os jovens já estão a valorizar mais os ritmos musicais angolanos, permitindo preservar a cultura do país: “A nova geração está a ter uma consciência mais nacional, na valorização e salvaguarda dos ritmos musicas tradicionais e danças folclóricas angolanas”.
Robertinho agradeceu a brilhante interpretação e a nova roupagem que o músico Yuri da Cunha, deu na canção “Ka kinhentu”, que consta do mais recente disco do artista “O intérprete”. Fernando Lucas da Silva “Robertinho” é natural de Malanje e nasceu em Julho de 1958, no Quéssua. Cresceu no bairro Marçal, em Luanda, onde cultivou o gosto pela interpretação musical. Começou a carreira no grupo Ébanos, como instrumentista e corista, aos 18 anos, a convite de um amigo. Integrou o conjunto "Diamantes Negros", como vocalista e baterista, de 1983-1984. Realizou a sua primeira digressão com o conjunto FAPLA-Povo, em Cuba, representando Angola no Festival Mundial da Juventude, numa altura em que cumpria serviço militar.
Neste grupo, Robertinho assumia os papéis de instrumentista e corista, juntamente com o cantor Proletário. Poucos anos depois, os dois passam a  vocalistas principais. Mais tarde, ainda na década de 80, decidiu enveredar pela carreira a solo, lançando a sua primeira música, intitulada “Nguma”, com a banda Os Kiezos, no programa “Bom fim-de-semana”, que procurava novos talentos, sob a égide do Ministério da Cultura.
O primeiro disco, “Joana”, chegou no mercado em 1992, com seis temas, destacando-se “Joana”, “Samba-samba”, “”Desespero”, “Kalamaxinde” e “Sanguito”.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA