Cultura

Salas de cinema no país reabrem com propostas inovadoras

Mário Cohen

Depois de meses de paralisação, as salas de cinema do país voltaram a reabrir as portas ao público, com algumas restrições, mas com projectos ambiciosos de forma a levar os cinéfilos, novamente aos grandes ecrãs, num passo que ainda tem muitos entraves.

Pandemia criou inúmeros entraves para a sétima arte
Fotografia: DR

Embora a reabertura tenha sido feita, oficialmente, há uma semana, a maioria das salas não está a obter a “resposta certa” dos cinéfilos, a maioria ainda com receio da pandemia e outros “presos” a rotina do confinamento. Para contrapor essas tendências, alguns gestores, como o da Zap Cinemas, Aniceto Correia, criaram propostas atraentes, com filmes em estreia mundial e alguns já exibidos.

Com salas equipadas, com projectores de última geração, a Zap está a reorganizar toda a forma de funcionar, tendo em conta as medidas de segurança recomendadas devido a Covid-19. Actualmente, disse ao Jornal de Angola, têm passado 18 sessões de cinema, mas “mesmo assim as salas não têm estado lotadas como antes. “O mundo parou.

A sétima arte está a tentar sobressair novamente com propostas aliciantes. O problema é que muitos filmes foram reagendados para o próximo ano e muitos dos cinéfilos estão com receio de voltarem às salas devido a pandemia”, lamentou. Com 150 assentos disponíveis, na sala Imax, a maior da Zap Cinemas, dos 440 lugares existentes, Aniceto Correia acredita em dias melhores, apesar dos receios e das tendências. 

Alguns cinéfilos, que já regressaram as salas, consideram esta reabertura algo positivo, por os ajudar a saírem da rotina do confinamento e poderem ver as poucas estreias programadas para este ano, algumas das quais muito esperadas, como “Os Novos Mutantes”.

Agora, defendem a maioria, tudo depende da atitude dos cidadãos, que devem ser muito cautelosos e respeitarem as medidas de segurança colocadas em todas as salas de cinema da capital, de forma a ajudar no combate da Covid-19.

Tempo

Multimédia