Cultura

Sam Manguana recebe tributo pela persistência

Manuel Albano |

As palavras de reconhecimento do cantor Carlos Lamartine ao colega Sam Manguana pelo contributo prestado ao longo de cinco décadas de carreira e a entrega de um Certificado de Mérito foram alguns dos momentos altos da  homenagem ao autor de “Tio António”, domingo, durante um espectáculo realizado no Complexo Turístico Weza Paradise, em Luanda.

Homenagem visou reconhecer o contributo do autor de “Tio António” pelos anos de carreira
Fotografia: Eduardo Pedro | Edições Novembro

Inserido no projecto “Palco das Recordações”, o espectáculo  realizado para saudar os 54 anos de carreira do cantor, contou com alguns convidados com destaque para Matadidi Mário, Teddy Nsingui, Ismael Benguela e Filho do Zua.
Os cantores foram ao longo da tarde acompanhados   pela banda Movimento, da Rádio Nacional de Angola (RNA), sob liderança do seu director artístico, o teclista Chico Madne.
Procurando não deixar os créditos em mãos alheias, fruto da experiência e dos anos de existência que a banda Movimento ostenta, Nino Gomes (teclado), Teddy Nsingui (viola solo), Quintino (guitarra ritmo), Mias Galheta (baixo), Romão Teixeira (bateria), Correia Miguel (percussão), Massoxi (voz e dikanza), Mister Kim (vocalista principal), Beth Tavira e Dorgan Nogueira “Gigi” (coros) e Bigodinho (suporte técnico), deram o seu melhor no suporte aos músicos convidados. A banda abriu o espectáculo com o bolero “Nzala”, seguindo-se as canções “Ngana Nzambi”, “Rumba Ngongo” ,“ Tá amarrado”, “Mariana”, “Merengue”, “Rebita”, “Bartolomeu”, “Jinvunda”, “Kiez Wabu”, “Nzenze”, “Chico” e “Namulelenu”.
A festa não parou.  Sam Manguana, bastante aplaudido, fez a sua primeira aparição quando subiu ao palco para interpretar os temas “Pátria Querida”, “Morena”, “Cooperation”.
Sam Manguana, na segunda aparição e para encerrar o espectáculo, interpretou os temas “Adios Teté”, “Ndaya”, “Susana” e “Tio António”, este último que recordou o tempo da repressão colonial em Angola, provocando lágrimas em muitos dos espectadores.
Samuel Manguana, mais conhecido nas lides musicais por  Sam Manguana nasceu a 21 de Fevereiro de 1945, em Maquela do Zombo, província do Uige. O músico começou a sua carreira em 1963, com Rochereaux e Doctor Nico, na Banda African Fiesta, no antigo Zaire.
Ismael Benguela, a procura da sua afirmação no mercado artístico interpretou “Arrependimento” e “Mamou”.
O gráfico começou a subir a exibição de luxo de Teddy Mwaanateka, um dos maiores solistas angolanos no activo. Para o gáudio dos espectadores interpretou “Mona” e “Tchimbelembelé”.
Matadidi Mário, outra grande voz sonante da música urbana angolana e sempre ao seu jeito divertido de se apresentar em palco cantou “Cherry Luta” e “Nossa terra é boa”. A força da juventude esteve representada na voz de Filho do Zua, uma promessa indiscutivelmente. O jovem que se tornou conhecido da noite por dia, interpretou o seu sucesso actualidade “A saia dela” e “Ndoqui”.
O proprietário do Weza Paradise disse que tem estado a promover actividades para dar a conhecer as novas gerações essencialmente a essa franja da sociedade sobre a importância de uma maior valorização dos feitos daqueles cantores que muito contributo deram a sociedade angolana.
Criar um momento de muita recordação e nostalgia, Gaspar Neto reforçou, vai nortear o espírito das homenagens e distinções dentro do programa “Palco das Recordações”. “Vamos continuar a privilegiar encontros salutares com base as nossas tradições, para ajudar a manter vivas as recordações de várias décadas da música popular angolana nos bairros periféricos”, garantiu.

Tempo

Multimédia