Sérgio Piçarra regressa ao mercado

Kátia Ramos
24 de Maio, 2016

Fotografia: Francisco Bernardo

Sérgio Piçarra manifestou o desejo de  voltar a publicar cartoons no Jornal de Angola no dia em que prodeceu ao lançamento das colectâneas  “Só Vos Olhos Já” e “Apreciando o Cenário...nas Calmas”, no espaço  Verde da Associação Cultural e Recreativa Chá de Caxinde, em Luanda.



Publicados sob a chancela da editora Chá de Caxinde, o lançamento das colectâneas, na sexta-feira, marcou o regresso do autor ao mercado de brochuras e livros, ausente por alguns anos.
Segundo o artista, “os cartoons prestam o seu contributo à sociedade, por ilustrarem os vários problemas que afligem uma determinada região, para além de apelar aos cidadãos para várias questões sociais”. O cartoonista referiu-se ainda à importância de se trabalhar para que surjam novos talentos e pessoas interessadas nesta arte que em anos passados teve uma força ilustrativa forte em Angola .
Disse ter começado pelo vício pela banda desenhada ao ver os filmes do Super Homem sendo um dos seus preferidos, destronado pelo Homem Aranha, e ainda havia o Ringo, o Astérix e o Tintin. Uma mistura de referências franco-belgas e um pouquinho de norte-americanas.
Da produção nacional, Sérgio Piçarra foi inspirado por Zito Mabanga, publicado na extinta revista “Novembro”, na década de 1970, e o Kazucuteiro, que era publicado na revista “Semanário”, que circulava com o Jornal de Angola.
A sua entrada no mundo do cartoon e das redacções aconteceu aos 14 anos de idade, em que passou a colaborar no caderno infantil do Jornal de Angola. 
Em 1990 criou nas páginas do Jornal de Angola a personagem “Mankiko, o Imbumbável”, que constitui hoje a maior referência do cartoon nacional.
À semelhança dos colegas Hugo Fernandes, Abraão Eba e Lito Silva, foram treinados pelo   artista plástico e escritor Henrique Abranches, com quem trabalhou e ajudou a formar jovens talentos tendo para o efeito produzido um manual prático de regras para produzir uma Banda Desenhada (BD).
Trabalhou também para as revistas “Gargalhada Setembrina”, “Mambos & Makas”, e co-autor de “Os prubulemas que estamos com eles”, editado com Lito Silva. Um dos impulsionadores da primeira revista angolana de BD, “O Jornal do Mankiko” e do primeiro jornal de cartoons, “Jornal Kissonde”. Em 2008, foi distinguido com um diploma de mérito atribuído pelo Ministério da Cultura.

Apresentação das obras

As duas colectâneas, uma de cartoons e outra de banda desenhada, incluem trabalhos publicados no jornal online Rede Angola, Novo Jornal e na revista Economia &Mercado. O jornalista Reginaldo Silva procedeu à apresentação das obras, cuja cerimónia ficou lotada pelos fãs  e leitores de “Mankiko- O imbumbável”, uma das mais emblemáticas criações de Sérgio Piçarra.
 Referiu que Sérgio Piçarra   não tem substitutos no seu tempo e quase  já não há ninguém no activo com a mesma desenvoltura no mercado dos cartoonistas. “Não me perguntem pelos contornos desta qualidade, mas garanto-vos que é uma das melhores obras que já li”, referiu o apresentador,  lembrando que a admiração dos  leitores é muito antiga.
Reginaldo Silva incentivou à leitura dos mesmos pela facilidade e simplicidade do texto que os mesmos implicam, bem como tamanho e a sua densidade.
 “É exactamente e em grande medida nesta extraordinária facilidade e rapidez de leitura, que nem sempre é a mesma ao nível do entendimento, que reside o grande sucesso mundial da arte comunicativa com mais de 100 anos de estrada e de gráficas que o cartoonista Sérgio Piçarra tem sabido desenvolver nas condições concretas os retratos do nosso país”.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA