Cultura

Situação do continente revista em peças

Manuel Albano

O grupo de teatro Etu-Ngo exibe hoje, às 20h00, na Liga Africana, em Luanda, o espectáculo dramático “Rei ou Rainha”, inserido no programa do Circuito Internacional de Teatro (CIT), que decorre até 16 de Setembro.

Fotografia: DR

A directora artística do grupo Etu-Ngo, Lubeck dos Santos, disse ao Jornal de Angola que a peça conta a história da luta de sucessão no poder entre os irmãos Kaculo e Cabaça, numa aldeia do Cuanza-Norte. 

Durante a peça, com a duração de uma hora, o grupo leva o público a questionar quem dos dois protagonistas tem direito ao trono. O objectivo, conta Lubeck dos Santos, é analisar alguns comportamentos negativos, utilizados por muitas pessoas para alcançarem o poder à força, geralmente, sem medirem a consequência dos seus actos.
“A conquista do poder em algumas realidades africanas é ainda feita por via do conflito armado, situação que tem contribuído para atrasar o desenvolvimento socioeconómico do continente”, explicou, justificando a escolha desta peça.
Para Lubeck dos Santos, essa é a forma que o grupo encontrou para seguir o lema deste ano do CIT: “Projectar África com o teatro”. O es-pectáculo, disse, conta com 13 actores e destaca, especialmente, a importância do diálogo na resolução dos problemas, como forma de se evitar eventuais conflitos.

“Minha Sogra”
“Minha Sogra... Minha Namorada”, uma amostra do conflito entre o tradicional e o mo-derno, é o título do espectáculo de teatro que o grupo Twabixila exibe amanhã, às 20h00, na Liga Africana, no âmbito do CIT. A peça conta a história de Eva, uma mulher conservadora, que procura incutir os seus hábitos e costumes na filha. Porém, devido ao choque entre os conceitos actuais com os tradicionais da mãe, a filha começa a ter uma reacção exagerada, ao ponto de viver embaraços na sua relação amorosa.
Escrita por Domingos Manuel “Mitó” e encenada por Sílvio Gravata, o espectáculo, do género comédia educativa, tem a duração de uma 1h10.

Calamidades
“Órfãos de Pungo Andongo” é a peça escolhida pelo grupo Nguizane Tuxikane, vencedor do Prémio Nacional de Cultura e Artes, na categoria de Teatro, o ano passado, para ser exibida no sábado, às 20h00, na Liga Africana, em Luanda, no CIT. Montada especialmente para os actores utilizarem instrumentos musicais tradicionais, a peça mostra alguns aspectos socioculturais de regiões do Norte e Sul do país, como forma de propor uma reflexão sobre o papel e o lugar da tradição no mundo moderno, disse, ontem, o encenador do grupo, Agostinho Cassoma.
A peça, contou, desenrola-se inicialmente em Malanje, comuna de Pungo Andongo e estende-se até o Huambo, mas no princípio do séc. XX, uma época em que várias desgraças acometiam essas regiões.
O espectáculo chama atenção para as calamidades naturais que ocorrem no local e para a maioria representava a fúria dos deuses. Para Agostinho Cassoma é uma forma de chamar a atenção do público à importância da valorização da cultura e o respeito pelos ensinamentos dos mais velhos. A peça estreou o ano passado, na III edição do Circuito Internacional de Teatro (CIT).

Tempo

Multimédia