Cultura

Actor do Oásis abre escola para formação de crianças

Roque Silva

Budas da Purificação, actor de 54 anos, pretende divulgar a cultura nacional apostando na formação de actores, particularmente crianças em idade pré-escolar, em Luanda.

Budas da Purificação tem um projecto para formar actores
Fotografia: Mota Ambrósio | Edições Novembro

Budas da Purificação é actor e encenador, um dos co-fundadores do Colectivo de Teatro Oásis da Força Aérea Nacional. Informou, ontem, ao Jornal de Angola, que o seu projecto pode ser concretizado no bairro Palanca, município do Kilamba Kiaxi.
Sem avançar datas para o arranque do projecto, Budas da Purificação, nome artístico de José Soares, disse que a ideia é transmitir valores culturais às crianças e passar o seu legado, que inclui a sua passagem pela companhia de artes Horizonte 2000, em 1987.
Residente há mais quinze anos na região metropolitana de Rochdale, em Manchester(Reino Unido), o actor referiu que ambiciona imprimir uma dinâmica no ensino que permite as crianças apresentar peças que enaltecem a  cultura nacional. O artista, se encontra há uma semana em Angola, para comemorar o 30º aniversário do Oásis, mostrou-se descontente com o actual estado da cultura nacional, segundo o qual “a sua matriz está a ser invadida por elementos estranhos aos nossos usos e costumes”.
Adiantou que, as músicas e a forma como as pessoas dançam, particularmente crianças, levou-lhe a pensar que a sociedade está "culturalmente doente".
Budas da Purificação integrou o elenco de vários filmes realizados no país e em Portugal. Fundador do grupo Horizonte 2000, que mais tarde designou-se Oásis, no dia 13 de Março de 1988, tendo sido antes denominado Anghotel, fruto do patrocínio da empresa homónima, parceria que contribuiu para a criação de um boletim em que os integrantes do grupo publicavam poemas e as suas actividades regulares ligadas à dança, teatro e a música.
Criou o grupo A Gota no Oceano, em 1996, em Portugal, e um segundo com o mesmo nome e outros actores, na Holanda.

Tempo

Multimédia