Cultura

Colectivo “Amor à Arte” entra em cena na Trienal

Ana Paulo |

A companhia de teatro “Amor a Arte” leva à cena amanhã, às 20h00, no Palácio de Ferro, o espectáculo dramático “Cuidado Com a Boca”, inserido na programação da III Trienal de Luanda, que decorre até ao final deste mês.

História de um casal humilde do bairro do Mbocoio no Bié transportado para o espaço cénico
Fotografia: Eduardo Pedro | Edições Novembro

Com autoria e encenação de Marisa Júlio, o espectáculo, de  55 minutos é representado por seis actores e narra a vida de um casal humilde do bairro do Mbocoio, na província Bié, residentes numa aldeia onde a tradição e os costumes falam mais alto do que qualquer decisão própria, onde não se pode jurar mais de três vezes sem antes saber as causas, caso  contrário é enforcado. É um mato ficcional em que o soba e a sua comparsa Florinda é que regem as regras. A peça foi estreada a 22 de Maio de 2014.
O grupo “Amor a Arte” existe há nove anos e é dirigido por Marisa Francisco Júlio, que é encenadora e directora. O grupo é o vencedor do Prémio Nacional de Cultura e Artes, edição 2016, na categoria de teatro, pelo conjunto das obras “O Resultado” e “O verdadeiro sangue”, tendo em conta a criatividade artística e cénica, a forma estética dos espectáculos, soluções cénicas, maneira diferente e criativa de abordar os temas, o nível interpretativo das obras, a combinação das cenografias, caracterização, sonoplastia, iluminação.
Integrado por 18 actores e 12 actrizes, o “Amor à Arte” já exibiu as peças “Bela e o Monstro”, “ Escrava da Cama”, “Duas Horas”, “ Quem é que não Chora”, “Entre a Justiça e o Coração”, “ Suave Pecado” e “ Cenas Marcantes”.
O grupo venceu o prémio de teatro municipal da Samba, em 2009, e ainda no mesmo ano foi classificado em terceiro lugar no Festival Provincial de Teatro de Luanda.O grupo “Amor à Arte” foi fundado a 2 de Agosto de 2007.  

Agentes recebem formação

Contribuir para o desenvolvimento dos profissionais da Cultura de Luanda é o objectivo da realização de uma formação de Elaboração e Gestão de Projectos Culturais, que é ministrado até sábado no Palácio de Ferro, pelo docente brasileiro Ticiano Arraes.
Numa iniciativa da Alliance Française de Luanda, da Embaixada de França em Angola e da Trienal de Luanda, durante a formação de seis dias os participantes vão adquirir conhecimentos e métodos práticos para conceber, financiar, produzir e divulgar um evento cultural. Para o feito a organização procedeu a uma selecção de 25 participantes ligados a instituições públicas e privadas, fundações, associações, centros e movimentos culturais da cidade de Luanda nomeadamente o Ministério da Cultura, a Fundação Agostinho Neto, a Rede das Mediatecas de Luanda, os Museus Nacional da Escravatura, das Forças Armadas, de Antropologia, de Historia Natural, o Chá de Caxinde, o IACA, o Centro Anim’Art e o Lev’Arte.
Os participantes vão receber certificados de participação, no fim do curso, com duração de 24 horas, divididas em quatro horas diárias, num período de seis dias, das 14h00 às 18h00. O programa engloba seis tópicos, designadamente mapeamento, planeamento, elaboração (I e II), gestão e prestação.

Perfil do formador

Ticiano Arraes é designer de produto e actua com foco nas áreas social e cultural. A maioria dos seus trabalhos está ligada a ONG, instituições culturais, Governos e projectos culturais de produção independente. Em 2013, a sua produtora Orbe Produções tornou-se o primeiro espaço de coworking do Recife - Orbe Coworking. Neste mesmo ano surgiu a Arraia Produções Artísticas e Culturais com o objectivo de dar continuidade às acções antes desenvolvidas pela Orbe Produções. As suas principais actividades incluem a elaboração, gestão e produção de projectos culturais, o desenvolvimento de oficinas no campo do design, artesanato e expografia de exposições.

Tempo

Multimédia