Colectivo Julu recebe prémio de melhor encenação de peça

Adriano de Melo |
30 de Julho, 2014

Fotografia: Kindala Manuel

O grupo Julu recebeu o prémio de melhor encenação do Festival Internacional de Teatro do Cazenga (FESTECA), realizado de 11 a 27, no Centro de Animação Artística do Cazenga, Luanda, pelo espectáculo “Mpambo Ya Njila”.

O director do FESTECA, Orlando Domingos, afirmou que o espectáculo do Etu Lene foi eleito o melhor dos exibidos pelo trabalho de identidade cultural revelado.
Na categoria de melhor espectáculo entre os grupos do Cazenga foi distinguido o Flores a Brincar, que apresentou a peça “Pequenas Fábulas”.
Entre os grupos de outras províncias, o melhor espectáculo foi “A Lei”, do Ombaka, Benguela.
Orlando Domingos disse que “o espectáculo sensação do festival foi ‘A Força do Lukano’, encenado pela Companhia Tic-Tac, do Cazenga.
Nas categorias individuais foram premiados Nelson Gonçalves, do Tic-Tac, melhor actor, e Conceição Diamante, do Julu, melhor actriz. O Troféu Revelação foi atribuído ao grupo Arco-Íris, pelo espectáculo “O Ovo - A História do Ovo e da Galinha”.
Os vencedores receberam computadores oferecidos peLO Gabinete Técnico de Reconversão Urbana do Cazenga, Sambizanga e Rangel. O festival, promovido pela Globo Dikulu, com o apoio da Administração Municipal do Cazenga e da Direcção Nacional da Acção Cultural do Ministério da Cultura, teve por lema “Pela Unidade Desenvolvimento da Comunidade, Fazemos o Teatro para a Infância e Juventude e Saudamos o FENACULT”.
O FENACULT homenageou o actor Gaspar Pitra Simão e o primeiro grupo de teatro do Cazenga, Delírio Azul.
O festival homenageou igualmente quatro personalidades do teatro em Angola, Roldão Ferreira, Ana Paula Correia Victor, Daniel Sebastião e Aureliano Quaresma.
Ao longo de 16 dias foram apresentadas 20 das 24 exibições previstas e realizados exercícios de performances de teatro.
 Entre os grupos convidados sobressaíram os das províncias de Benguela, Uíge e Huíla. Como novidade houve a exibição de um grupo de teatro Infantil, Flores a Brincar. 
Orlando Domingo salientou a importância das conferências realizadas dirigidas pelos actores moçambicanos Carlos Cherinda e Cremildo Matalva e pelo director do Festival de Teatro de Inverno de Moçambique, Joaquim Matavel.
Durante 10 dias, 25 Jovens receberam formação numa Oficina de Teatro dividida em dois painéis, o primeiro sobre troca de experiências e o segundo sobre performances de teatro.
A organização editou sete números do boletim informativo “O Cenário”. No final do encontro foi assinado um acordo de parceria e intercâmbio entre o FESTECA e o Festival Internacional de Teatro de Inverno de Moçambique.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA