Cultura

Grupo Enigma Teatro encena tragédia grega

Roque Silva |

A Companhia Enigma Teatro estreia no dia 2 de Novembro, no Teatro Elinga, em Luanda, a peça “Édipo Rei”, adaptação da secular obra teatral homónima do dramaturgo grego Sófocles.

Companhia estreia em Novembro a peça de teatro “Édipo Rei”
Fotografia: Edições Novembro |

O espectáculo original foi escrito em 427 antes de Cristo e é considerado na poética de Aristóteles como o mais perfeito exemplo da Tragédia Grega.
A peça ilustra  a impotência humana diante do destino e é repleta de incestos, parricídios, conspirações e outros fenómenos sociais nos quais a personagem principal é mártir e vilão ao mesmo tempo.
A obra é a idealização de Sófocles acerca dos personagens que desprezam as forças da natureza com o propósito de as despertar para as leis divinas que operam no mundo humano.
A história gira em torno da família de Édipo, descrevendo eventos com mais de oito mil anos, onde quando ainda criança e, sem saber, mata o pai, casa com a mãe e procura por si mesmo quando na busca por justiça ao descobrir que o seu progenitor foi morto. “Édipo Rei" é a primeira obra de um conjunto que inclui “Antígona” e “Édipo em Colono”.
A peça volta a ser apresentada nos dias 3, 4, 5 de Novembro, no mesmo espaço, e  nos dias 9, 10, 11 e 12, do mesmo mês, na Liga Africana.
A Companhia Enigma Teatro tem 16 peças originais com destaque para “A grande questão”, “A raiva” e “Na corda bamba”, com edições em DVD, e três espectáculos adaptados, a designar “Quem me dera ser onda”, de Manuel Rui, “A mesa”, de José Mena Abrantes, e “Renúncia”, de Dorivaldo Fernandes.
A companhia venceu o Prémio Nacional de Cultura e Artes, edição 2014, pelo conjunto da sua obra marcada pelo espírito inovador, integridade artística, especificidade estética, artística e conteúdo, com que tem sabido recriar o mundo circundante, o homem, a vida social e os valores estéticos e morais, conforme as leis da linguagem artística específica de forma integral e irrepetível.

Tempo

Multimédia